Logomarca BCB

O Banco Central e a Educação Financeira

 
O que é Educação Financeira?

A Educação Financeira é o processo mediante o qual os indivíduos e as sociedades melhoram sua compreensão dos conceitos e produtos financeiros. Com informação, formação e orientação claras, as pessoas adquirem os valores e as competências necessários para se tornarem conscientes das oportunidades e dos riscos a elas associados e, então, façam escolhas bem embasadas, saibam onde procurar ajuda e adotem outras ações que melhorem o seu bem-estar. Assim, a Educação Financeira é um processo que contribui, de modo consistente, para a formação de indivíduos e sociedades responsáveis, comprometidos com o futuro.

Por que promover a Educação Financeira do brasileiro?

A crescente sofisticação dos produtos oferecidos aos consumidores de serviços financeiros aumenta o leque de opções à disposição do cidadão brasileiro, ao mesmo tempo em que lhe atribui maior responsabilidade pelas escolhas realizadas.

A inclusão econômica de milhões de brasileiros nas últimas décadas defronta o novo consumidor com instrumentos e operações financeiras complexas e variadas, sem que o cliente ou usuário do Sistema Financeiro Nacional esteja preparado para compreender os produtos e serviços financeiros disponíveis e lidar com eles no dia a dia. Não apenas é difícil o acesso a informações, mas também falta conhecimento para compreender as características, os riscos e as oportunidades envolvidos em cada decisão. A necessidade de educar o cidadão brasileiro para atuar no meio financeiro determinou a instituição de uma estratégia conjunta do Estado e da sociedade.

Por isso foram instituídos a Estratégia Nacional de Educação Financeira (Enef) e o Comitê Nacional de Educação Financeira (Conef), do qual o Banco Central faz parte, juntamente com 12 outros órgãos de governo e representativos da sociedade. Mais informações sobre a Enef e o Conef podem ser encontrados aqui.

O Programa de Educação Financeira do Banco Central

Além de atuar no Conef, o Banco Central conta com ações próprias visando criar condições para que os indivíduos e a sociedade brasileira possam administrar seus recursos financeiros de maneira consciente. Cidadãos bem educados financeiramente costumam gozar de maior bem estar, além de contribuírem com a sustentabilidade do Sistema Financeiro Nacional.

Por isso, o Banco Central do Brasil busca atuar junto à sociedade, trabalhando para incluí-la e educá-la financeiramente. Ao promover ações de educação financeira no âmbito de um programa integrado, o Banco Central busca atingir as dimensões cognitiva, atitudinal e comportamental:
  • No âmbito cognitivo, o Programa de Educação Financeira do Banco Central tem por objetivos proporcionar conhecimentos sobre o uso da moeda, divulgar os canais de acesso da população ao SFN e divulgar o papel do próprio Banco Central.
  • Nas esferas atitudinal e comportamental, os objetivos são incentivar o hábito de poupança, estimular a responsabilidade no uso do crédito e promover mudanças de comportamentos com base nas boas práticas de finanças pessoais.
O programa é voltado para a sociedade brasileira em geral, com foco nos clientes e usuários dos produtos e serviços financeiros. Entre os diversos segmentos da sociedade brasileira, classificados de acordo com seu ciclo de vida, estão eleitos como prioritários, além de outros segmentos, os estudantes de ensino superior. Saiba mais em www.cidadaniafinanceira.bcb.gov.br

Agendamento de Palestras de Educação Financeira

O Banco Central oferece palestras sobre Gestão de Finanças Pessoais e sobre o Sistema Financeiro Nacional para grupos organizados, como turmas de universidades, órgãos de governo, OSCIPs, entre outros. Caso haja interesse de agendar uma palestra de um especialista do Banco Central para seu grupo em um destes temas, acesse o site do Portal de Serviços do Governo Federal ou a Carta de Serviços ao Cidadão do Banco Central. Neles haverá informações mais detalhadas sobre esta forma de atendimento e o procedimento para solicitá-la.