Working Paper 444

Capital Allocation across Regions, Sectors and Firms: evidence from a commodity boom in Brazil


Paula Bustos, Gabriel Garber and Jacopo Ponticelli


Abstract

We study the allocation of capital across regions, sectors and firms. In particular, we assess to what extent growth in agricultural productivity can lead to an increase in the supply of credit in industry and services. For this purpose, we identify an exogenous increase in agricultural profits due to the adoption of genetically engineered soy in Brazil. We find that regions with larger increases in agricultural productivity experienced larger increases in local bank deposits. However, there was no increase in local bank lending. Instead, capital was reallocated towards other regions through bank branch networks. This increase in credit supply affected firms' credit access through the extensive and intensive margin. First, regions with more bank branches receiving funds from soy areas experienced an increase in credit market participation of small and medium sized firms. In addition, banks experiencing faster deposit growth in soy areas increased their lending to firms with whom they had preexisting relationships. In turn, these firms grew faster in terms of employment and wage bill. Our estimates imply that the elasticity of firm growth to credit is largest in the manufacturing sector. These findings suggest that agricultural productivity growth can lead to structural transformation through a financial channel.

Resumo

Estudamos a alocação de capital ao longo de regiões, setores e empresas. Em particular, avaliamos em que medida o aumento da produtividade na agricultura pode levar a um aumento na oferta de crédito para os setores industrial e de serviços. Para isso, identificamos um aumento de lucratividade exógeno na agricultura, decorrente da adoção de soja transgênica no Brasil. Encontramos que regiões nas quais houve maiores aumentos da produtividade na agricultura apresentaram maior crescimento em depósitos bancários locais. Entretanto, não houve aumento do crédito local. Em vez disso, o capital foi realocado para outras regiões através das redes de agências bancárias. Esse aumento da oferta de crédito afetou o acesso das empresas ao crédito nas margens extensiva e intensiva. Em primeiro lugar, regiões com mais agências bancárias que receberam fundos das regiões produtoras de soja passaram por um aumento da participação de pequenas e médias empresas no mercado de crédito. Adicionalmente, os bancos que tiveram crescimento mais rápido de depósitos nas áreas produtoras de soja, aumentaram os empréstimos para empresas com as quais já tinham relacionamentos preexistentes. Por sua vez, estas firmas cresceram mais rapidamente, em termos de número de empregados e de massa salarial. Nossas estimativas implicam que a elasticidade do crescimento das firmas em relação ao crédito é maior na indústria. Estas descobertas indicam que o aumento da produtividade agrícola pode levar à transformação estrutural através do canal financeiro.