BCB - Abstracts

 

Working Paper 380

Implementing Loan-to-Value Ratios: The Case of Auto Loans in Brazil (2010-11)


Tarsila S. Afanasieff, Fabiana L. C. A. Carvalho, Eduardo C. de Castro, Rodrigo L. P. Coelho and Jaime Gregório


Abstract

This paper discusses the reasons and effects of the Central Bank of Brazil’s decision to raise the risk weight factors (RWF) of auto loans with high LTV and long maturities in 2010. Concerns with origination standards and risk-underpricing, combined with early warnings of loan non-performance given by credit bureau data, led the Central Bank to raise RWF to new auto loans. The calibration of the measure used data on delinquency rates by LTV and maturity and respective LGDs. The measure successfully improved origination standards. Difference-in-difference estimations confirmed the effect of the measure in reducing the origination of new loans with long maturities and with high LTV; while these types of loans became more expensive to borrowers thereby discouraging their demand. The results are important to help formulating and conducting central bank’s monitoring, and prudential regulations.

Resumo

O artigo discute as razões e os efeitos da decisão do Banco Central do Brasil de elevar, em 2010, os fatores de ponderação pelo risco (FPR) para financiamento de veículos com elevados LTVs e longas maturidades. As preocupações com os padrões de originação e risco de subprecificação, combinadas com sinais de alertas obtidos a partir dos dados do sistema de informações de crédito (SCR), como a alta da inadimplência por safra, levou o Banco Central a elevar o FPR para novos financiamentos com essas características. A calibração da medida utilizou as taxas de inadimplência por LTVs e maturidades e seus respectivos LGDs. A medida foi bem sucedida em melhorar os padrões de originação. Estimações difference-in-difference confirmaram o efeito da medida em reduzir a originação de novos financiamentos de veículos com elevados LTVs e longas maturidades; esse tipo de financiamento ficou mais caro para o tomador, reduzindo assim sua demanda. Os resultados são importantes para a formulação e condução do monitoramento e da regulação prudencial pelo Banco Central.