BCB - Abstracts

 

Working Paper 375

Capital Requirements, Liquidity and Financial Stability: the case of Brazil


Sergio R. Stancato de Souza


Abstract

This paper simulates the effects of credit risk, changes in capital requirements and price shocks on the Brazilian banking system. We perform the analysis within the context of a model that integrates data on bilateral exposures in the interbank market with information about the liquidity profile of each financial institution. Asset prices in the model are determined endogenously as a function of the total volume of fire sales, thus creating the possibility that marking to market may trigger new rounds of fire sales and downward asset price spirals. The simulation results show that the Brazilian banking system is robust, as relatively large increases in the delinquency rate lead to only modest losses in the system. We also compute the contribution of each financial institution to systemic losses under severe shocks and find that contributions from medium-sized banks can be significant. However, if shocks become more severe, only large banks will contribute significantly to systemic losses.

Resumo

Este artigo simula os efeitos da inadimplência, de choques de preços e de mudanças em requerimentos de capital no sistema bancário brasileiro. Realizamos as análises utilizando um modelo que integra dados de exposições interbancárias bilaterais a informações sobre o perfil de liquidez de cada banco. Preços de ativos no modelo são determinados endogenamente como função do volume total de vendas urgentes, criando assim a possibilidade de que a marcação a mercado dos ativos vendidos origine novas rodadas de vendas arriscadas, produzindo uma espiral descendente de preços de ativos. Os resultados das simulações mostram que o sistema bancário brasileiro é robusto, uma vez que grandes aumentos na taxa de inadimplência resultam em perdas sistêmicas modestas. Calculamos a contribuição de cada instituição financeira a perdas sistêmicas sob choques severos e verificamos que contribuições de bancos de tamanho médio podem ser importantes. No entanto, à medida que os choques se tornam mais severos, as contribuições de bancos médios perdem importância relativa, de modo que somente bancos grandes passam a contribuir significativamente para perdas sistêmicas.