Bandeira do Brasil

PEDD
Padrão Especial de
Disseminação de Dados

Data da última atualização: 10/6/2011


POSIÇÃO INTERNACIONAL DE INVESTIMENTO

Dados sobre o Provedor da Categoria

Pessoa para Contato

Thiago Said Vieira

Instituição

Banco Central do Brasil, Departamento Econômico, Divisão de Balanço de Pagamentos
SBS Qd.3, Ed. Sede, Bl. B, 10º andar  
Brasília (DF) - Brasil
CEP 70.074-900

Número do Telefone

55 61 3414-2205

Número do Fax

55 61 3414-2036

Endereço eletrônico

dibap.depec@bcb.gov.br

 

Descrição
Dados: Cobertura, Periodicidade e Tempestividade

Características da Cobertura

Os dados são divulgados em milhões de dólares dos Estados Unidos, não dessazonalizados, e publicados de acordo com a quinta edição do "Manual de Balanço de Pagamentos" do Fundo Monetário Internacional.

As estatísticas de Posição Internacional de Investimento (PII) apresentam os ativos e os passivos externos do país. Os saldos são compilados em cinco itens para posições ativas: investimento direto no exterior, investimento em carteira, derivativos, outros investimentos e ativos de reservas; e em quatro itens para posições passivas: investimento estrangeiro direto, investimento em carteira, derivativos e outros investimentos.

Periodicidade

Trimestral

Tempestividade

Até três meses após o fim do período em referência.
Acesso do Público

Divulgação do calendário de publicação

O calendário fornecendo as datas de divulgação com antecipação de um trimestre pode ser encontrado na página do Banco Central do Brasil na Internet (http://www.bcb.gov.br/sddsp/calendar_p.htm) e no IMF's Data Dissemination Standards Bulletin Board (http://dsbb.imf.org).

O calendário para todo o ano seguinte é publicado em cada exemplar do mês de dezembro da Nota para a Imprensa do Banco Central e na página do Banco Central do Brasil na Internet (http://www.bcb.gov.br).

Divulgação simultânea a todas as partes interessadas

A Posição Internacional de Investimento é divulgada simultaneamente a todas as partes interessadas na página do Banco Central do Brasil na Internet (http://www.bcb.gov.br).
Integridade

Divulgação dos termos e condições sob as quais as estatísticas oficiais são preparadas, incluindo confidencialidade das respostas individuais

O Banco Central compila e publica estatísticas monetárias e financeiras segundo a legislação em vigor, em particular a Lei de Criação do Banco Central (Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964) e as Resoluções do Conselho Monetário Nacional (CMN) que ordenam a geração e divulgação de dados e informações, especialmente no que toca à confidencialidade dos dados.

O Banco Central garante a confidencialidade dos dados relativos a instituições financeiras e indivíduos, em obediência ao estabelecido no Artigo 38 da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964.

A Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, as Resoluções do Conselho Monetário Nacional e outras normas emitidas pelo Banco Central do Brasil, bem como a legislação acessória, podem ser encontradas em português na página da Internet do Banco Central: http://www.bcb.gov.br/?LEGISLACAO

Essa legislação está disponível ao público em português, na página da Internet da Presidência da República, pesquisa de decretos e leis:
http://www.planalto.gov.br.

Acesso interno do governo aos dados antes de sua publicação

Nenhuma autoridade externa ao Banco Central do Brasil tem acesso às informações previamente à sua publicação.

Identificação de comentário ministerial na data da divulgação das estatísticas

Não há comentário ministerial.

Informação sobre revisão e comunicação antecipada de mudanças substanciais na metodologia

Os dados divulgados são passíveis de revisão e as eventuais correções serão incorporadas nas publicações seguintes.

Alterações metodológicas significativas são informadas ao público no momento em que são introduzidas.

Qualidade

Divulgação de documentação sobre a metodologia e as fontes usadas na preparação das estatísticas

Informações resumidas sobre a metodologia e as fontes dos dados são encontradas no Sumário Metodológico.

Divulgação de detalhes, conciliações com os dados relacionados e arcabouços estatísticos que possibilitem cruzamento de dados e assegurem razoabilidade às estatísticas

Não aplicável.

Notas

Página de resumo do plano de observância e transição

 


Formatos de Divulgação
Em Papel
X X Nota para a Imprensa As Notas para a Imprensa do Banco Central são publicações mensais gratuitas e estão disponíveis a todos os interessados mediante solicitação.

    Boletim semanal  
    Boletim mensal  
    Boletim Trimestral  
  X Outros O Relatório Anual do Banco Central é publicado em português e em inglês e está disponível na biblioteca do Banco Central. A assinatura é paga e pode ser feita junto ao Controle Geral de Publicações que pode ser localizado em Assinatura de impressos (http://www.bcb.gov.br/?ASSINAIMP).
Em Meio Eletrônico
X   Tabela ou banco de dados on line do País  
  X Endereço na Internet: Nota para a Imprensa – Setor Externo:
http://www.bcb.gov.br/?ECOIMPEXT
    Disquete:  
    CD ROM  
    Outros  

 

Sumário Metodológico
Arcabouço analítico, conceitos, definições e classificações (incluindo referência a orientações aplicáveis)
As estatísticas de Posição Internacional de Investimento apresentam os ativos e os passivos externos do país, de acordo com a 5ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos do Fundo Monetário Internacional – FMI (BPM5).

Os saldos guardam estreita relação com os fluxos da conta financeira do balanço de pagamentos e são compilados em cinco itens para posições ativas: investimento direto no exterior, investimento em carteira, derivativos, outros investimentos e reservas internacionais; e em quatro itens para posições passivas: investimento estrangeiro direto, investimento em carteira, derivativos e outros investimentos.

Abrangência dos dados (cobertura de e.g., unidades institucionais, transações e estoque, commodities, indústrias e áreas geográficas)
Todos os indivíduos, empresas e entes econômicos no país estão, em princípio, abrangidos pela Posição Internacional de Investimento.

Os estados brasileiros, o Distrito Federal, assim como representações diplomáticas e consulares no exterior também o são.

Todos os países nos quais existam ativos brasileiros ou que detenham ativos no país estão incluídos nos dados da Posição Internacional de Investimento.

Convenções contábeis (e.g. período de registro, métodos de avaliação)
A Posição Internacional de Investimento é apresentada em milhões de dólares norte-americanos (US$).

A dívida externa, incluída na Posição Internacional de Investimento, é apurada com base no valor histórico dos registros, na moeda de origem, efetuados pelo devedor junto ao Banco Central do Brasil, no sistema Registro Declaratório Eletrônico - Registro de Operações Financeiras (RDE-ROF), convertida para dólares norte-americanos (US$), utilizando-se a taxa de câmbio de final de período, divulgada pelo Banco Central do Brasil. Também são incluídos dados da dívida externa não registrada. Os últimos são obtidos pelo Banco Central através do Plano Contábil das Instituições Financeiras Nacionais (Cosif) e através de relatórios sobre linhas de crédito externas de empresas privadas (Petróleo Brasileiro S/A – Petrobras).

Natureza dos dados básicos (e.g., registros administrativos, pesquisas, levantamentos censitários, combinações destes)
I. Ativos

I.1. Investimento direto no exterior
Obtidos da declaração de Capitais Brasileiros no Exterior (CBE) compilada pelo Banco Central;
I.2. Investimento em carteira no exterior
Obtidos da declaração de Capitais Brasileiros no Exterior (CBE) e relatórios do Banco de Compensações Internacionais (BIS) sobre títulos depositados como colaterais;
I.3. Derivativos
Obtidos da declaração de Capitais Brasileiros no Exterior (CBE);
I.4. Outros investimentos
Obtidos da declaração de Capitais Brasileiros no Exterior (CBE) e cotas de participações brasileiras em organismos internacionais;
I.5. Ativos de reservas
Dados enviados pelo Departamento de Operações das Reservas Internacionais (Depin) e pelo Departamento da Dívida Externa e Relações Internacionais (Derin). As reservas internacionais no Banco Central são constituídas por ouro monetário, Direitos Especiais de Saque (DES) e ativos em moeda estrangeira, representados por depósitos (overnight, acordo de recompra no Federal Reserve Board – FED e prazo fixo), títulos e créditos cursados em acordo de convênio. A posição de reserva no FMI também é computada nas reservas no Banco Central.
Os títulos e os créditos de convênios de pagamentos são registrados pelo valor de mercado. O estoque de ouro é avaliado pela London PMFixing de final de período. Os haveres em DES são avaliados pela taxa de final de período fornecida pelo FMI.

Nota: a declaração de Capitais Brasileiros no Exterior (CBE) é prestada ao Banco Central do Brasil anualmente, com dados de fim de período, por todos os residentes com ativos no exterior em montante igual ou superior a R$200 mil (esse valor pode ser alterado a cada ano pelo Banco Central). As posições trimestrais (março, junho e setembro) dos ativos da PII, cuja fonte é o CBE, são estimadas com base nos fluxos do balanço de pagamentos.

II. Passivos

II.1. Investimento estrangeiro direto (relação entre empresas ligadas)
Os investimentos estrangeiros diretos no país, participação no capital, são compilados pelo Banco Central do Brasil através do censo de capitais estrangeiros, de periodicidade qüinqüenal. As últimas posições divulgadas referem-se a 1995 e 2000. Para os demais anos é feita estimativa com base nos fluxos mensais de investimentos estrangeiros diretos do balanço de pagamentos.
O estoque dos empréstimos intercompanhias é oriundo das estatísticas do RDE-ROF, compiladas trimestralmente e publicadas na Nota para a Imprensa do Setor Externo do Banco Central do Brasil;
II.2. Investimento estrangeiro em carteira
Renda variável:
    No país: Inclui os investimentos de não residentes em ações no Brasil, regidos pela Resolução nº 2.689, do Conselho Monetário Nacional, de 26 de janeiro de 2000. Essa Resolução determina que o investidor deve nomear representante no país, responsável pelo registro do investimento no Banco Central e na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Os dados sobre esses registros são obtidos no Sistema de Informações Banco Central (Sisbacen).
    No exterior: Inclui os investimentos de não residentes regidos pelo Anexo V da Resolução nº 1.289, do CMN, de 20 de março de 1987, relativos a valor de mercado do programa Depositary Receipts (ações de companhias brasileiras negociadas no exterior). Dados oriundos da CVM.
Renda fixa:
    No país: Inclui os investimentos de não residentes em títulos de dívida no Brasil, regidos pela Resolução nº 2.689, do Conselho Monetário Nacional, de 26 de janeiro de 2000. Essa Resolução determina que o investidor deve nomear representante no país, responsável pelo registro do investimento no Banco Central. Os dados sobre esses registros são obtidos no Sistema de Informações Banco Central (Sisbacen).
    No exterior: Inclui dados do sistema RDE-ROF relativos à dívida externa (bônus, notas e commercial papers);
II.3. Derivativos
Investimentos estrangeiros em derivativos: dados oriundos da CVM;
II.4. Outros investimentos
Crédito comercial e empréstimos: dados oriundos do sistema RDE-ROF, relativos à dívida externa, incluindo créditos de fornecedores e empréstimos, além de dados de dívida externa não registrada obtidos através do Plano Contábil das Instituições Financeiras Nacionais (Cosif) mais linha de crédito da Petrobras;
Moeda e depósitos: dados obtidos na contabilidade do Banco Central e no Cosif;
Outras obrigações: saldo negativo do Convênio de Crédito Recíproco (CCR), obtido junto ao Derin.

Nota:
Os dados da dívida externa registrada, sistema RDE-ROF, são incluídos nos seguintes itens da PII:
Passivo – Investimentos em carteira – Títulos de renda fixa – Bônus e notas;
Passivo – Outros investimentos – Crédito comercial;
Passivo – Outros investimentos – Empréstimos – Autoridade monetária e demais setores.
Os dados da dívida externa não registrada são incluídos no seguinte item da PII:
Passivo – Outros investimentos – Empréstimos – Demais setores.

Práticas de compilação (e.g., esquemas de ponderação, métodos de imputação, técnicas de balanceamento/verificação)
Não aplicável.
Outros aspectos (e.g., ajustamento sazonal, restrição na divulgação, ano-base, ano de referência, transformação de ano fiscal para ano civil)
Não aplicável.