Bandeira do Brasil

PEDD
Padrão Especial de
Disseminação de Dados

Data da última atualização: dd/mm/yyyy

ÍNDICE DE PREÇOS - PREÇOS AO PRODUTOR

Dados sobre o Provedor da Categoria

Pessoa para Contato

Vagner Laerte Ardeo
Salomão Lipcovitch Quadros da Silva

Instituição

Fundação Getulio Vargas,
Instituto Brasileiro de Economia (IBRE),
Rua Barão de Itambi, 60 – 6º. andar
Rio de Janeiro (RJ) - Brasil
CEP 22.231-000

Número do Telefone

55 21 3799-6770

Número do Fax

55 21 3799-6770

Endereço eletrônico

ibredgd@fgv.br

 

Descrição
Dados: Cobertura, Periodicidade e Tempestividade

Características da Cobertura

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) é um indicador econômico de abrangência nacional, calculado desde 1947, possuindo dados retrativos a janeiro de 1944. Até março de 2010, era denominado Índice de Preços por Atacado. A mudança de denominação não alterou a sigla, pela qual é mais conhecido. O IPA é o principal componente do Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), com peso de 60% e tem por objetivo medir as variações médias de preços recebidos pelos produtores domésticos na venda de seus produtos. A composição e a estrutura de ponderações do IPA baseiam-se nas pesquisas estruturais relativas aos setores agropecuário e industrial, além das Contas Nacionais, todas divulgadas pelo IBGE. O índice é apurado com base em pesquisa sistemática de preços realizada nas principais regiões de produção do país. São pesquisados em torno de 1.200 estabelecimentos industriais que fornecem mensalmente cerca de 6.400 cotações. Estas cotações alimentam o cálculo de 315 índices relativos a produtos industriais. O IPA contém ainda 25 produtos agropecuários. São, portanto, 340 os produtos cobertos pelo índice. Os preços pesquisados excluem impostos incidentes sobre produtos bem como fretes. Uma fórmula de Laspeyres é utilizada para calcular o índice, que não é dessazonalizado. As ponderações são atualizadas mensalmente de acordo com os respectivos relativos de preços. O índice é disseminado mensalmente conforme calendário específico.

Periodicidade

Mensal

Tempestividade

Em média sete dias após o término do período de referência.
Acesso do Público

Divulgação do calendário de publicação

O calendário fornecendo as datas exatas de divulgação com antecipação de um trimestre pode ser encontrado na página do Banco Central do Brasil na Internet (http://www.bcb.gov.br/sddsp/calendar_p.htm) e no IMF’s Data Dissemination Standards Bulletin Board (http://dsbb.imf.org).

Divulgação simultânea a todas as partes interessadas

Os resultados mensais do índice são divulgados pela internet no endereço: http://portalibre.fgv.br, às 8 horas dos dias previstos em calendário. O “press release” tem versões em português, inglês e espanhol. No mesmo dia, às 11 horas, na sede da FGV, os resultados são comentados em entrevista coletiva.
Integridade

Divulgação dos termos e condições sob as quais as estatísticas oficiais são preparadas, incluindo confidencialidade das respostas individuais

Não existem regulamentos oficiais pautando a compilação e disseminação dos dados neste caso, uma vez que a Fundação Getulio Vargas é uma instituição privada. Entretanto, a entidade tem longa tradição na produção e disseminação de indicadores econômicos, grandemente demandados pelos mercados, pelo público e por órgãos governamentais.

Acesso interno do governo aos dados antes de sua publicação

Os dados são postos à disposição das agências governamentais e do público ao mesmo tempo.

Identificação de comentário ministerial na data da divulgação das estatísticas

Nenhum.

Informação sobre revisão e comunicação antecipada de mudanças substanciais na metodologia

Os dados do IPA não são sujeitos a revisão. As mudanças de metodologia são anunciadas e postas à disposição dos interessados no endereço da FGV na Internet, http://www.fgv.br, sessenta dias antes de sua implementação.
Qualidade

Divulgação de documentação sobre a metodologia e as fontes usadas na preparação das estatísticas

As informações sobre métodos de cálculo e fontes de dados usados no cômputo do IPA são parte integrante da metodologia do Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI). Este documento está disponível no endereço http://portalibre.fgv.br/ na seção dedicada a indicadores de preços.

Divulgação de detalhes, conciliações com os dados relacionados e arcabouços estatísticos que possibilitem cruzamento de dados e assegurem razoabilidade às estatísticas

Os dados primários passam por testes de coerência que compreendem a comparação com valores de itens similares ou a adequação a determinadas faixas de variação percentual. Havendo necessidade, a FGV retorna ao respondente para conformação. Deve ser observado que os fornecedores de dados endossam a informação transmitida. Na metodologia completa há também a descrição de todos os componentes do índice.

Notas

Página de resumo do plano de observância e transição

 

Formatos de Divulgação
Em Papel
  X Nota para a Imprensa Os resultados são divulgados por meio de “press release” com versões em português, inglês e espanhol. O material fica disponível ao público interessado no endereço http://portalibre.fgv.br/, às 8 horas dos dias de divulgação previstos em calendário.
    Boletim semanal  
    Boletim mensal  
    Boletim Trimestral  
  X Outros Os resultados gerais do índice e as principais parcelas são publicados na Revista Conjuntura Econômica, tradicional veículo de divulgação das estatísticas e pesquisas da FGV.
Em Meio Eletrônico
  X Tabela ou banco de dados on line do País As séries históricas do IPA podem ser consultadas pelos serviços FGVDADOS e FGVDADOS Premium. Os resultados gerais podem ser acessados gratuitamente, mas as séries desagregadas somente estão disponíveis por meio de assinaturas.
  X Endereço na Internet: O acesso às séries pode ser feito pelo endereço: http://portalibre.fgv.br/.
    Disquete:  
    CD ROM:  
    Outros  

 

Sumário Metodológico
Arcabouço analítico, conceitos, definições e classificações (incluindo referência a orientações aplicáveis)

O Índice de Preços ao Produtor Amplo mede as variações médias dos preços recebidos pelos produtores domésticos na venda de seus produtos. O IPA é apresentado em duas diferentes estruturas de classificação:

  • Origem (IPA-OG) – Produtos Agropecuários e Industriais;
  • Estágios de Processamento (IPA-EP) – Bens Finais, Bens Intermediários e Matérias Primas Brutas.

A seleção dos produtos integrantes do IPA se faz em duas etapas. Primeiramente, são escolhidas as classes de produtos a serem representadas e, em seguida, os produtos considerados em cada uma destas classes. O sistema de classificação utilizado na seleção, que também serve para a montagem da estrutura do IPA, é a CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas), na versão 1.0. Para compor a parcela agropecuária do IPA, foram selecionados produtos pertencentes a três classes de atividades: lavouras temporárias, lavouras permanentes e pecuária. Em cada classes, foram selecionados os produtos de maior valor de produção, de acordo com dados disponíveis nas pesquisas: Produção Agrícola Municipal (PAM) e Produção da Pecuária Municipal (PPM), do IBGE. A indústria, que no IPA compreende as atividades de transformação e extrativa, teve sua estrutura concebida a partir da Pesquisa Industrial Anual (PIA) do IBGE. Foram selecionados, com base na PIA – Produto, itens identificados por códigos da Lista de Produtos da Indústria (PRODLIST), com valores de vendas significativos o bastante para gerar ponderações no IPA.

Abrangência dos dados (cobertura de e.g., unidades institucionais, transações e estoque, commodities, indústrias e áreas geográficas)
Cobre as principais áreas de produção agropecuária e industrial do país.
Convenções contábeis (e.g. período de registro, métodos de avaliação)
A coleta dos dados de preços para o índice é sistemática. A coleta é feita durante o mês civil e segue dois critérios operacionais: coleta mensal, associada a produtos industriais, e coleta diária, associada a produtos agropecuários, embora, excepcionalmente, haja produtos agropecuários com alguma coleta mensal.
Natureza dos dados básicos (e.g., registros administrativos, pesquisas, levantamentos censitários, combinações destes)
Para produtos industriais, a coleta de dados de preços é feita diretamente nos estabelecimentos geradores da informação, com formulários específicos. Para produtos agropecuários, o processo é executado através da Internet, coletando-se dados de diversas fontes estatísticas, tais como: centrais de abastecimento regionais, empresas estaduais de extensão rural (EMATER), cooperativas agropecuárias, bolsas de mercadorias, secretarias estaduais de agricultura, produtores agrícolas, produtores industriais, etc.
Práticas de compilação (e.g., esquemas de ponderação, métodos de imputação, técnicas de balanceamento/verificação)
O cálculo das ponderações do IPA – Oferta Global (IPA-OG) começa pelas séries Produtos Agropecuários, Indústria Extrativa e Indústria de Transformação, que recebem pesos de acordo com as participações médias destas atividades no Valor Adicionado Bruto, calculado pelo IBGE no âmbito das Contas Nacionais. A ponderação da série Produtos Industriais é obtida pela soma dos pesos das séries Indústria Extrativa e Indústria de Transformação. Para a atividade agropecuária, as ponderações dos produtos integrantes do índice têm por referência os valores de produção médios observados nas pesquisas Produção Agrícola Municipal (PAM) e Produção da Pecuária Municipal (PPM), do IBGE. Na parcela industrial, as ponderações baseiam-se na Pesquisa Industrial Anual (PIA), também do IBGE. As ponderações das classes de atividades, a dois e três dígitos da CNAE, seguem a variável receita líquida de vendas, obtida da PIA – Empresa. Em seguida, distribuem-se as ponderações das atividades a três dígitos segundo os produtos selecionados. A distribuição é feita de acordo com os respectivos valores de venda, usando-se como fonte a PIA – Produto. No IPA – Estágios de Processamento (IPA-EP), os produtos são os mesmos da classificação OG, bem como seus pesos. As ponderações dos grupos são obtidas por adição dos pesos dos produtos. A estrutura de ponderações é alterada a cada três anos com base em médias trienais dos valores obtidos das pesquisas estruturais.
Outros aspectos (e.g., ajustamento sazonal, restrição na divulgação, ano-base, ano de referência, transformação de ano fiscal para ano civil)
Não há dessazonalização. Caso haja ausência de informação para um dos componentes da amostra, o peso é redistribuído entre os outros. A data base do índice é agosto de 1994.