Logomarca BCB

Glossário completo


Termo Descrição
ABBC Associação Brasileira de Bancos
ABDE Associação Brasileira de Instituições Financeiras de Desenvolvimento. Mais informações.
Abecip Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança
Abecs Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços
Abel Associação Brasileira das Empresas de Leasing
ACC Adiantamento sobre Contratos de Câmbio. Constitui a antecipação parcial ou total do contravalor em moeda nacional da moeda estrangeira comprada por instituição autorizada a operar no mercado de câmbio, para entrega em momento futuro pelo cliente. A grande maioria desses adiantamentos é decorrente de contratos de câmbio de exportação. O ACC é concedido antes do embarque da mercadoria ou da prestação do serviço.
ACE Adiantamento sobre Cambiais Entregues. Semelhante ao ACC. A principal diferença é que o ACE é concedido após o embarque da mercadoria ou da prestação do serviço.
ADB Asian Development Bank. Banco Asiático de Desenvolvimento. Tem como objetivo combater a pobreza na Ásia e no Pacífico. Mais informações.
ADR American Depositary Receipts. Certificados representativos de ações ou de outros valores mobiliários que representam direitos e ações, emitidos no exterior por instituição denominada "depositária", com lastro em valores mobiliários de emissão de empresas brasileiras depositados em custódia específica no Brasil.
AEF – Brasil Associação de Educação Financeira do Brasil. Organização sem fins lucrativos, criada em 2011 pela Anbima, BM&FBOVESPA, CNSEG, Febraban, com o objetivo de promover a educação financeira no Brasil. Mais informações.
AELC Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA, na sigla em inglês, European Free Trade Association). Criada em 1960, era formada por Áustria, Dinamarca, Noruega, Portugal, Reino Unido, Suécia e Suíça. Atualmente quatro países fazem parte da AELC: Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça.
Agência Dependência de instituições financeiras e demais instituições, autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, destinada à prática das atividades para as quais a instituição esteja regularmente habilitada.
Agência de fomento Tem como objeto social a concessão de financiamento de capital fixo e de giro associado a projetos na Unidade da Federação onde tenha sede.
Agência pioneira Dependência instalada em praça desassistida de outra agência ou posto avançado de atendimento de banco múltiplo com carteira comercial, banco comercial ou caixa econômica.
Ajuste patrimonial Engloba o reconhecimento de dívidas do setor público geradas no passado ("esqueletos") e que já produziram impacto macroeconômico; os efeitos do processo de privatização de empresas (receitas de venda e transferências de dívidas para o setor privado); e o ajuste metodológico da dívida do setor externo, devido à conversão dos saldos pela taxa de câmbio de final do período e dos fluxos pela taxa de câmbio média do mês.
Aladi Associação Latino-Americana de Integração. Organismo intergovernamental que, continuando com o processo iniciado pela Alalc em 1960, promove a expansão da integração da região com o objetivo de garantir seu desenvolvimento econômico e social, tendo como meta final a criação de um mercado comum. É formada por doze países-membros: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, México, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.
Alívio Operação em que o custodiante, mediante autorização prévia, recolhe dinheiro em espécie ao Banco Central, sensibilizando negativamente o saldo custodiado.
Alívio de custódia Operação pela qual numerário não monetizado na custódia é entregue ao BC.
Anbima Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais
Anefac Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade
Anverso Face da cédula ou da moeda onde se vê a efígie ou emblema.
Aplicações financeiras As aplicações mais comuns no mercado financeiro são a Poupança, o Certificado de Depósito Bancário (CDB), o Recibo de Depósito Bancário (RDB) e os Fundos de Investimento. Mais informações.
Asba Associação dos Supervisores Bancários das Américas. Fundada em 1999, congrega as autoridades de supervisão das Américas, incluindo o Caribe. Tem como missão desenvolver, disseminar e promover práticas de supervisão bancária nas Américas em linha com os padrões internacionais.
Atendimento bancário No caso das agências de bancos múltiplos com carteira comercial, de bancos comerciais e da Caixa Econômica Federal, o horário mínimo de expediente para o público será de cinco horas diárias ininterruptas, com atendimento obrigatório no período das 12h às 15h, horário de Brasília. Mais informações.
ATM Automatic Teller Machine. Caixa eletrônico.
Atributo Representação alfabética destinada a identificar cada um dos segmentos/tipos de instituições/empresas. Cada segmento possui um elenco próprio de contas no Cosif - Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional. Mais informações.
Bacen Acrônimo de Banco Central
Bacen Jud Sistema de Atendimento às Solicitações do Poder Judiciário ao Banco Central do Brasil
Back office Área responsável pela liquidação, compensação, contabilização, registro e custódia das operações realizadas por uma instituição financeira.
Back to back Operação em que a compra e a venda de mercadoria ocorre sem sua efetiva entrada ou saída do Brasil. Não há mais necessidade de autorização do Banco Central para a realização dessas operações.
Balanço de Pagamentos Os componentes do balanço de pagamentos estão agrupados em: transações correntes, conta capital, conta financeira, erros e omissões, e resultado global. Mais informações.
Banco Comercial Instituição financeira privada ou pública. Tem como objetivo principal proporcionar o suprimento oportuno e adequado dos recursos necessários para financiar, em curto e médio prazos, o comércio, a indústria, as empresas prestadoras de serviços, as pessoas físicas e terceiros em geral. A captação de depósitos à vista, livremente movimentáveis, é atividade típica do banco comercial.
Banco Cooperativo Banco comercial ou banco múltiplo constituído, obrigatoriamente, com carteira comercial. Diferencia-se dos demais por ter como acionistas-controladores cooperativas centrais de crédito, as quais devem deter no mínimo 51% das ações com direito a voto.
Banco de Desenvolvimento Instituição financeira pública não federal que tem como objetivo precípuo proporcionar o suprimento oportuno e adequado dos recursos necessários ao financiamento, em médio e longo prazos, de programas e projetos que visem promover o desenvolvimento econômico e social do estado onde tenha sede, cabendo-lhe apoiar prioritariamente o setor privado.
Banco de Investimento Instituição financeira privada especializada em operações de participação societária de caráter temporário, de financiamento da atividade produtiva para suprimento de capital fixo e de giro e de administração de recursos de terceiros.
Banco Múltiplo Instituição financeira privada ou pública que realiza as operações ativas, passivas e acessórias das diversas instituições financeiras, por intermédio das seguintes carteiras: comercial, de investimento e/ou de desenvolvimento, de crédito imobiliário, de arrendamento mercantil e de crédito, financiamento e investimento. Essas operações estão sujeitas às mesmas normas legais e regulamentares aplicáveis às instituições singulares correspondentes às suas carteiras.
Base Monetária Passivo monetário do Banco Central, também conhecido como emissão primária de moeda. Inclui o total de cédulas e moedas em circulação e os recursos da conta Reservas Bancárias. Reflete o resultado líquido de todas as operações ativas e passivas do Banco Central.
Base monetária (Conceito B1) Corresponde à base monetária restrita acrescida da exigibilidade adicional incidente sobre recursos à vista.
Base Monetária Ampliada Corresponde à base restrita acrescida dos depósitos compulsórios em espécie e dos títulos públicos federais fora do Banco Central registrados no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic).
Basileia III Acordo com recomendações de melhores práticas relativas à estrutura de capital de instituições financeiras. Com Basileia III, o Comitê de Basileia propôs, entre outras medidas: I) definição de capital mais rigorosa, visando fundamentalmente ampliar a capacidade de absorver perdas; II) harmonização internacional da definição do capital; III) ampliação da transparência quanto à composição do capital; IV) criação de duas modalidades de capital suplementar (buffers) que incentivam as instituições financeiras a acumularem reservas adicionais de capital em períodos de rápida expansão do ciclo econômico para serem utilizadas em momentos de estresse; V) ampliação do escopo dos riscos capturados pela estrutura de capital; VI) introdução do Índice de Alavancagem, a ser aplicado como medida complementar ao requerimento mínimo de capital; e VII) adoção de requerimentos mínimos quantitativos para a liquidez.
BBA British Banker’s Association. Associação de bancos do mercado londrino. Divulga a LIBOR (London Interbank Offered Rate), taxa média de juros dos empréstimos entre bancos.
BC, BCB Siglas correspondentes a Banco Central e a Banco Central do Brasil, respectivamente.
BCCh Banco Central do Chile. Mais informações.
BCE Banco Central Europeu. Mais informações.
BCIE Banco Centro-Americano de Integração Econômica. Mais informações.
BCP Banco Central do Paraguai. Mais informações.
BCRA Banco Central da República Argentina. Mais informações.
BCU Banco Central do Uruguai. Mais informações.
BCV Banco Central da Venezuela. Mais informações.
BDR Brazilian Depositary Receipts. Títulos representativos de valores mobiliários emitidos por instituição depositária no País, cujo lastro são valores mobiliários de empresas estrangeiras e depositados na instituição custodiante de programa de BDR no exterior.
Bear market Mercado em baixa ou em que os participantes esperam queda dos preços, alta nos yields (oposto de Bull market).
BEI Banco Europeu de Investimento. Mais informações.
Benchmark Padrão de referência utilizado para comparar rentabilidade entre investimentos, títulos, taxas de juros. Por exemplo: na administração das Reservas Internacionais, o Banco Central usa uma carteira de referência (benchmark), escolhida antecipadamente e que reflete objetivos e preferências de longo prazo quanto à relação risco-retorno e às restrições de liquidez.
Beta Estimativa do nível de oscilação que se deve esperar de um fundo (ou ativo qualquer) como resposta a variações do mercado de ações. Uma ação com beta igual a 2, por exemplo, indica que quando o Ibovespa sobe 1%, a ação tende a subir 2%. Quanto maior o beta, maior o risco do papel.
BID Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instituição financeira regional sediada na cidade de Washington (EUA). Foi criada em 1959 com o objetivo de contribuir para o progresso econômico e social da América Latina e do Caribe. Mais informações.
Bird Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento. Em inglês, International Bank for Reconstruction and Development. Foi criado em 1945. Juntamente com a Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA), instituída em 1960, o Bird constitui o Banco Mundial, organização que tem como principal objetivo a promoção do progresso econômico e social dos países-membros. Mais informações.
BIS Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês, Bank for International Settlements). Organismo internacional que fomenta a cooperação entre bancos centrais e outras agências com o objetivo de manter a estabilidade monetária e financeira. Serve de fórum para debates, fomenta a pesquisa, realiza uma série de serviços para os bancos centrais, tem a função de agente fiduciário. Fundado em 1930, tem sede em Basileia, na Suiça. Mais informações.
Bloomberg Agência internacional de notícias e informações, inclusive cotações de preços de ativos.
BM&FBOVESPA Fusão da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) com a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). A empresa presta serviços de negociação, compensação e liquidação de ações, títulos de renda fixa privados, títulos públicos federais custodiados no Selic, dólar interbancário e derivativos. A empresa está constituída sob a forma de sociedade anônima aberta com fins lucrativos.
BNB Banco do Nordeste do Brasil S.A. Instituição financeira múltipla criada pela Lei Federal 1.649, de 19/7/1952, e organizada sob a forma de sociedade de economia mista, de capital aberto, com mais de 90% de seu capital sob o controle do governo federal. Com sede em Fortaleza, o Banco atua em cerca de dois mil municípios, abrangendo os nove estados do Nordeste (Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia), o norte de Minas Gerais (incluindo os Vales do Mucuri e do Jequitinhonha) e o norte do Espírito Santo. Mais informações.
BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Empresa pública federal, é o principal instrumento de financiamento de longo prazo para a realização de investimentos em todos os segmentos da economia, em uma política que inclui as dimensões social, regional e ambiental. Mais informações.
BoJ Bank of Japan. Banco Central do Japão.
Boletim Regional Publicação trimestral do Banco Central do Brasil que apresenta as condições da economia das regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul e dos estados de Bahia, Ceará, Pernambuco, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. O Boletim Regional enfatiza a evolução de indicadores econômicos, tais como produção, vendas, emprego, preços, comércio exterior. Para ler o boletim: aqui.
Bônus Obrigações de renda fixa, similares às notas promissórias, que são emitidas por empresas, bancos ou governos. Um bônus é um certificado de dívida no qual o emissor se compromete a pagar um montante específico de juros em intervalos predeterminados durante um período de tempo, além de pagar também o montante da emissão na data de vencimento. Como o bônus é um instrumento de dívida (renda fixa), o comprador é um credor da empresa, e não um acionista como no caso do comprador de ações.
Bônus soberano Bônus emitidos por um país com garantias de um governo central.
Bordo Região externa da superfície da moeda.
Bradies Títulos da dívida externa brasileira lastreados em papéis do Tesouro dos Estados Unidos. O Brasil emitiu cerca de US$ 50 bilhões de títulos no processo de renegociação da dívida externa elaborado por Nicholas Brady, então secretário do Tesouro norte-americano. Daí surgiu o nome Bradies.
Brady bonds Séries de bônus soberanos, emitidos por países emergentes nos moldes do Plano Brady, que visavam reestruturar as dívidas vencidas e não pagas.
Break-even Ponto de equilíbrio, no qual igualam-se receitas e despesas. Em finanças, pode ser entendido como o preço em que um investimento não gera lucro nem prejuízo.
Brics Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. O termo Bric foi criado pelo economista Jim O’Neill, em 2001, para se referir a Brasil, Rússia, Índia e China. Depois foi adicionada a letra “s” em referência a entrada da África do Sul (South Africa, em inglês).
Broker Corretor, indivíduo ou instituição que promove o encontro entre compradores e vendedores em um dado mercado, cobrando uma comissão.
Bull market Mercado em alta ou em que os participantes esperam alta dos preços e queda dos yields (oposto de bear market).
Cadastro Positivo Reúne informações de adimplemento para formação do histórico de pagamentos de pessoas físicas e jurídicas. É administrado por pessoas jurídicas denominadas Gestores de Bancos de Dados (GBD). O objetivo é permitir que os concedentes de crédito tenham acesso a mais uma fonte de dados segura para avaliar os riscos ao ofertar crédito para empresas e cidadãos. O Decreto 7.829, de 17/10/2012, regulamentou a Lei 12.414, de 9/6/2011, sobre o assunto. Mais informações: Resolução 4.172, de 20/12/2012.
Cademp Cadastro de Pessoas Físicas e Jurídicas – Capitais Internacionais, necessário para quem realiza operações sujeitas a registro no Banco Central.
Cadin Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal. Mais informações.
Cadinf Cadastro de Instituições Financeiras
Cadip Sistema de Registro de Operações de Crédito com o Setor Público
Cadoc Catálogo de Documentos. Editado pelo Banco Central, o Cadoc relaciona todos os documentos que as instituições têm obrigação de apresentar ao BC.
Câmara de Ações Liquida operações realizadas por meio dos sistemas de negociação Puma e Bovespa Fix. O Puma negocia títulos de renda variável (mercados à vista e de derivativos - opções, termo e futuro); e o Bovespa Fix, títulos privados de renda fixa (operações definitivas no mercado à vista). Antiga CBLC – Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia. Mais informações.
Câmara de Compensação Central ou mecanismo de processamento central por meio do qual as instituições financeiras acordam trocar instruções de pagamento ou outras obrigações financeiras (por exemplo: valores mobiliários). As instituições liquidam os instrumentos trocados em um momento determinado com base em regras e procedimentos da Câmara de Compensação. Em alguns casos, ela pode assumir responsabilidades significativas de contraparte, financeiras ou de administração do risco para o sistema de compensação. Por definição, a Câmara de Compensação deve ser ente dotado de personalidade jurídica. Resolução 2.882, de 30/8/2001.
Câmaras e prestadores de serviços de compensação São instituições que operam qualquer um dos sistemas integrantes do sistema de pagamentos, cujo funcionamento resulte em movimentações interbancárias e envolva pelo menos três participantes diretos para fins de liquidação, entre instituições financeiras ou demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil.
Câmbio Legal Aplicativo para aparelhos móveis. Por meio dessa ferramenta é possível localizar os pontos de câmbio em todo o País e assim encontrar o local mais próximo para comprar e vender moeda estrangeira, além de sacar ou trocar moedas por reais. O sistema informa o endereço, telefones, horário de funcionamento, serviços e tipos de atendimento da instituição selecionada. Mais informações.
Capef Cadastro de Pessoas Físicas e Jurídicas
Capitais estrangeiros De acordo com a Lei 4.131, de 3/9/1962, consideram-se capitais estrangeiros os bens, as máquinas e os equipamentos ingressados no Brasil sem dispêndio inicial de moeda estrangeira, destinados à produção de bens ou serviços, bem como os recursos financeiros ou monetários, introduzidos no País, para aplicação em atividades econômicas, desde que, em ambas as hipóteses, pertençam a pessoas físicas ou jurídicas residentes, domiciliadas ou com sede no exterior.
Capital de giro Operações de crédito destinadas ao financiamento de curto prazo das empresas.
Capital social subscrito por investidor estrangeiro Montante total de recursos, financeiros ou materiais que os sócios estrangeiros se comprometem a investir na empresa brasileira.
Caricom Mercado Comum e Comunidade do Caribe. Bloco de cooperação econômica e política, criado em 1973, formado por quatorze países e quatro territórios da região caribenha. São países-membros: Antigua e Barbuda, Bahamas, Barbados, Belize, Dominica, Granada, Guiana, Haiti, Jamaica, Montserrat, Santa Lúcia, São Cristóvão e Neves, São Vicente e Granadinas, Suriname e Trinidad e Tobago.
Carta Circular A carta circular tem a finalidade de divulgar instrução, procedimento ou esclarecimento a respeito de conteúdo de documento normativo.
Carteira de fundos - componente da DLSP Inclui o patrimônio líquido dos fundos regionais (FNE, FCO, FNO), do Fies - Fundo de Financiamento Estudantil -, além das disponibilidades de outros fundos e programas de governos.
Casa da Moeda do Brasil (CMB) Empresa pública fundada em 8 de março de 1694 pelo rei de Portugal D. Pedro II, em Salvador, com o objetivo de atender a demanda de fabricação de moedas no País. É responsável pela produção do meio circulante brasileiro e de outros produtos de segurança, como passaportes com chips e selos fiscais. Mais informações.
CBE Capitais Brasileiros no Exterior. Declaração prestada ao Banco Central do Brasil por pessoas físicas ou jurídicas residentes, domiciliadas ou com sede no País, assim conceituadas na legislação tributária, relativa a bens e valores que possuírem fora do território nacional.
C-Bond Capitalization Front-Loaded Interest Reduction Bond. Bônus de capitalização, emitido como parte da renegociação da dívida brasileira em 1994 (Plano Brady), com vencimento em 2014. Título utilizado para renegociação da dívida externa brasileira no período de moratória nos anos 90. Foi durante muito tempo o principal papel da dívida externa brasileira. O nome "capitalization bond" (bônus de capitalização) vem do fato de que parte dos juros, nos primeiros seis anos, era capitalizada, e a taxa foi crescente até 2001. O título teve prazo de carência até 2004, quando passou a pagar amortizações semestrais.
CC5 Sigla da Carta Circular n° 5, de 27/2/1969, que regulamentava as contas em moeda nacional mantidas no País por residentes no exterior. Foi revogada em 1996. Atualmente, as disposições sobre as contas em moeda nacional tituladas por pessoas físicas e jurídicas residentes, domiciliadas ou com sede no exterior constam do capítulo 13 do título 1 do Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI).
CCF Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos. Operacionalizado pelo Banco do Brasil. Mais informações.
CCR Convênio de Pagamentos e Créditos Recíprocos. Convênio entre os países da Associação Latino-Americana de Integração (Aladi), com o objetivo de estimular as relações financeiras entre os países da região, facilitar a expansão do comércio recíproco e sistematizar as consultas mútuas em matérias monetárias, cambiais e de pagamentos. Por meio do CCR, são cursados e compensados entre os países participantes, durante períodos de quatro meses, pagamentos derivados do comércio, de bens originários e de serviços, de modo que no final de cada quadrimestre transfere-se ou recebe-se apenas o saldo global do banco central de cada país com os demais. Mais informações.
CCS Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional. Permite a identificação das instituições financeiras nas quais os clientes do sistema financeiro mantêm relacionamentos representados por bens, direitos e valores, como depósitos à vista, em poupança ou a prazo, entre outros produtos. O principal objetivo do CCS é auxiliar nas investigações financeiras conduzidas pelas autoridades competentes, mediante requisição de informações pelo Poder Judiciário, por meio de ofícios eletrônicos, ou por outras autoridades, quando devidamente habilitadas. Pode ser útil também ao cidadão ou empresa interessados em verificar a ocorrência de uso indevido de CPF ou CNPJ ou, ainda, na busca de relacionamentos bancários de pessoa falecida para fins de inventário. Mais informações.
CDB Certificado de Depósito Bancário
CDI Certificado de Depósito Interfinanceiro
CED Central de Exposição a Derivativos
Cédula fragmentada Não pode ser substituída, depositada nem utilizada em pagamentos. Deve ser apresentada em agência de qualquer banco comercial para ser encaminhada ao Banco Central para análise de valor. O cidadão receberá do caixa da instituição financeira um recibo da cédula e terá de aguardar o resultado da análise. Caso o BC constate que a cédula não tem valor, não haverá ressarcimento; caso constate que a cédula ainda tem valor, ela será substituída e entregue ao cidadão pela instituição que a enviou ao BC. Mais informações.
CEF Caixa Econômica Federal. Criada em 1861, é uma empresa 100% pública que exerce a função bancária e atua em programas sociais por meio do pagamento do FGTS, PIS, seguro-desemprego, Bolsa Família e loterias. Mais informações.
Cemla Centro de Estudos Monetários Latino-Americanos. Organismo que busca promover o entrosamento entre os bancos centrais latino-americanos. Promove pesquisa, divulga informações aos membros sobre temas monetários e bancários na América Latina e no Caribe, promove a capacitação do pessoal dos bancos centrais e de outras instituições financeiras da área.
Censo de Capitais Estrangeiros no País Sua realização é definida pela Lei 4.131, de 3/9/1962. O Banco Central do Brasil realiza o Censo quinquenalmente, com o objetivo de captar informações que permitam análise dos movimentos e resultados dos capitais estrangeiros no País, com vistas a subsidiar a definição de políticas governamentais.
Centena Maço cintado contendo 100 cédulas.
Central de Cessão de Crédito C3. Sistema operado pela Câmara Interbancária de Pagamentos (CIP). A C3 faz a transferência definitiva do ativo negociado simultaneamente à liquidação financeira definitiva, trazendo assim maior segurança às operações de cessões de crédito interbancárias. Mais informações.
CET Custo Efetivo Total. Corresponde a todos os encargos e despesas incidentes nas operações de crédito e de arrendamento mercantil financeiro, contratadas ou ofertadas a pessoas físicas, microempresas ou empresas de pequeno porte. Deve ser informado pelas instituições financeiras e pelas sociedades de arrendamento mercantil antes da contratação de operações de crédito e de arrendamento mercantil e também em qualquer outro momento, a pedido do cliente. Também deve constar dos informes publicitários das instituições quando forem veiculadas ofertas específicas (com divulgação da taxa de juros cobrada, do valor das prestações, etc). Resolução 3.517, de 6/12/2007.
Cetip Criada em 1986, a Cetip registrava e custodiava todos os Créditos Securitizados da União, da Dívida Agrícola (Lei 9.138, de 29/11/1995 e Resolução 2.471, de 26/2/1998), dos Títulos da Dívida Agrária – TDA, dos Certificados Financeiros do Tesouro – CFT e dos Certificados da Dívida Pública - CDP. Desde 2009, a Cetip é uma sociedade anônima de capital aberto com fins lucrativos, cuja denominação é Cetip S.A. - Mercados organizados. Registra também títulos de dívida corporativa, CDBs, derivativos, títulos de dívidas estaduais e municipais, entre outros. Mais informações.
CFC Conselho Federal de Contabilidade
CFF Compensatory Financing Facility. Linha de crédito do FMI destinada a apoiar países cujos termos de troca sejam severamente prejudicados por flutuações nos mercados internacionais.
CFT Certificado Financeiro do Tesouro. Título de responsabilidade do Tesouro Nacional emitido para a realização de operações financeiras definidas em lei, exclusivamente sob a forma escritural, na Cetip. Título de rentabilidade pós-fixada (à exceção do CFT-F), pode ser emitido em séries e subséries distintas, cada qual com índice de atualização próprio (IGP-M, dólar, TR etc). Mais informações.
Chamada de margem Exigência de fundos ou garantias adicionais, após marcação a preços de mercado de uma operação de empréstimo de títulos, se o valor de mercado da garantia subjacente cair abaixo de certo nível em relação ao ativo que foi objeto de empréstimo. De maneira similar, se o valor dos ativos em garantia, após sua avaliação, exceder a margem acordada, poderá ser exigida a devolução de parte das garantias.
Cheque cruzado Cheque que somente pode ser pago mediante crédito em conta. O cruzamento pode ser geral, quando não indica o nome do banco; ou especial, quando o nome do banco aparece entre os traços de cruzamento. O cruzamento não pode ser anulado. Mais informações sobre cheques.
Cheque especial Operações de crédito vinculadas a contas-correntes mediante a utilização de limite de crédito pré-estabelecido sem necessidade de comunicação prévia à instituição financeira.
Cheque especial - pessoas jurídicas Operações de crédito vinculadas à conta-corrente de pessoas jurídicas, associadas à utilização de limite de crédito pré-estabelecido. Caracterizam-se pela amortização automática do saldo devedor, quando ocorrem depósitos na conta-corrente.
Cheque pré-datado O cheque é uma ordem de pagamento à vista, válida para o dia de sua apresentação ao banco, mesmo que nele esteja indicada uma data futura. Se houver fundos, o cheque pré-datado é pago; se não houver, é devolvido pelo motivo 11 ou 12. Do ponto de vista da operação comercial, divergências devem ser tratadas na esfera judicial. Mais informações sobre cheques.
Cheque prescrito Cheque que foi apresentado após o prazo de prescrição (seis meses após o prazo de apresentação). Nesse caso, o beneficiário perde o direito de execução, sendo possível apenas ação comum na justiça para reaver o seu crédito. Mais informações sobre cheques.
Cide Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico. Instituída pela Lei 10.336, de 19/12/2001, incide sobre as operações realizadas com combustíveis.
CIF Custo Seguro e Frete (Cost Insurance and Freight)
Circuit breaker Condição de negociação que é adotada pelas Bolsas de Valores. Por meio do circuit breaker, o pregão é imediatamente interrompido toda vez que o índice representativo dos preços de um conjunto de ações tenha queda substancial. No caso da Bolsa de Valores de São Paulo, o circuit breaker é adotado quando o Ibovespa tem queda de 10%.
Circular A circular tem por finalidade divulgar deliberação da Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil.
Cisão Operação pela qual a empresa transfere parcelas do seu patrimônio para uma ou mais sociedades, constituídas para esse fim ou já existentes, extinguindo-se a empresa cindida, se houver versão de todo o seu patrimônio, ou dividindo-se o seu capital, se a versão for parcial.
Clube de Paris Instituição informal, sem existência jurídica reconhecida, que reunia grupo de países credores, na maior parte das vezes da OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico -, com a finalidade de renegociar a dívida governamental de países em dificuldades financeiras. Relatório do Tesouro sobre Encerramento do Clube de Paris.
CMCA Conselho Monetário Centro-Americano / MCCA
CMCp Comissão técnica responsável pelo exame dos assuntos relativos a mercado de capitais nos países do Mercosul. Coordenação brasileira a cargo da Comissão de Valores Mobiliários.
CME Chicago Mercantile Exchange. Bolsa de Mercadorias de Chicago.
CMN Conselho Monetário Nacional. Órgão deliberativo máximo do Sistema Financeiro Nacional. Ao CMN compete: estabelecer as diretrizes gerais das políticas monetária, cambial e creditícia; regular as condições de constituição, funcionamento e fiscalização das instituições financeiras; e disciplinar os instrumentos de política monetária e cambial. O CMN é constituído pelo ministro da Fazenda (presidente), pelo ministro do Planejamento e Orçamento, e pelo presidente do Banco Central. Os serviços de secretaria do CMN são exercidos pelo BC. Mais informações.
CNPJ Código gerido pela Secretaria da Receita Federal e utilizado para identificação das empresas no Cademp.
CNseg Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização
Coaf Conselho de Controle de Atividades Financeiras. Criado pela Lei 9.613, de 3/3/1998, no âmbito do Ministério da Fazenda, com a finalidade de disciplinar, aplicar penas administrativas, receber, examinar e identificar ocorrências suspeitas de atividades ilícitas relacionadas à lavagem de dinheiro. É a Unidade de Inteligência Financeira (UIF) brasileira ou, na versão em inglês, FIU - Financial Intelligence Unit. Mais informações.
Codep Comitê de Análise de Proposta de Decisão de Processos Administrativos Punitivos. O Banco Central abre processos administrativos para apurar eventuais irregularidades em instituições e em entidades supervisionadas, em detentores de capital estrangeiro no País e brasileiro no exterior, e em operações de câmbio. Mais informações.
Codificado O termo codificado significa que o conteúdo de um ato normativo (resolução, circular ou carta circular) passou a fazer parte do texto de um manual do BC (Cadoc, Cosif, MCR), recebendo uma codificação na página que o identifique dentro da publicação.
Cofins Contribuição Social para Financiamento da Seguridade Social. Mais informações.
Comef Comitê de Estabilidade Financeira do Banco Central do Brasil. Instituído em 18 de maio de 2011, o Comef é composto pelo presidente e pelos diretores do BC, todos com direito a voto. Os chefes dos departamentos do BC cujo trabalho tem relação com a preservação da estabilidade financeira também participam, sem direito a voto, das reuniões do comitê. O Comef tem reuniões ordinárias a cada dois meses e pode se reunir em caráter extraordinário por decisão da Diretoria do BC. Mais informações.
Comitê de Basileia O Comitê de Supervisão Bancária de Basileia tem a função de estabelecer recomendações para a padronização das práticas de supervisão bancária em nível internacional. Mais informações.
Companhias Hipotecárias Instituições que têm por objetivos, entre outros: conceder financiamentos destinados à produção, reforma ou comercialização de imóveis residenciais ou comerciais e lotes urbanos; repassar recursos destinados ao financiamento da produção ou da aquisição de imóveis residenciais. Devem ser constituídas sob a forma de sociedade anônima e na sua denominação social deve constar a expressão "companhia hipotecária". Resolução 3.425, de 21/12/2006.
Compensação Acordo para compensar posições ou obrigações por parte dos participantes ou sócios de uma negociação. A compensação reduz um grande número de posições ou obrigações individuais a um número menor de obrigações ou posições. A compensação pode adotar diversas formas com distintos graus de exigibilidade legal em caso de inadimplência de alguma das partes.
Compensação bilateral Acordo entre duas partes para compensar suas obrigações bilaterais. As obrigações cobertas pelo acordo podem surgir de contratos financeiros, transferências ou de ambos.
Compensação de encerramento Forma especial de compensação realizada logo após eventos predefinidos, tais como inadimplência. A compensação de encerramento tem o propósito de reduzir as exposições em contratos abertos se uma das partes reúne certas condições definidas em contrato (por exemplo, se está sujeita a procedimentos de insolvência) antes da data da liquidação. Também é denominada compensação de inadimplência, compensação de contratos em aberto ou compensação de contratos de substituição.
Compensação multilateral Procedimento que se caracteriza pela apuração da soma dos resultados bilaterais devedores e credores de cada participante em relação aos demais. O resultado da compensação multilateral também corresponde ao resultado de cada participante em relação à câmara ou ao prestador de serviços de compensação e de liquidação que assuma a posição de parte contratante para fins de liquidação das obrigações realizadas por seu intermédio.
Compensação por novação Acordos de compensação por novação estabelecem disposições para que os compromissos contratuais individuais futuros (por exemplo, contratos de moeda estrangeira) sejam cancelados (descarregados) no momento de sua confirmação e sejam substituídos por novas obrigações que fazem parte de um acordo único. Os montantes vencidos sob o contrato cancelado se agregarão aos saldos correntes que vencem entre as partes, em cada moeda, para cada data-valor futura.
Compensação privada de créditos e débitos Quitação de créditos e débitos entre residentes no exterior e residentes no País, sem movimentação cambial, por meio de simples lançamentos contábeis. A compensação privada de créditos e débitos é vedada pelo Decreto-Lei 9.025, de 27/2/1946.
Compra de moeda estrangeira Negócio realizado entre o cliente (pessoa física ou jurídica) e uma instituição autorizada a operar em câmbio pelo Banco Central do Brasil. A instituição entrega ao cliente a moeda nacional pelo valor equivalente à moeda estrangeira adquirida.
Compror Operações de crédito destinadas ao financiamento das compras (produtos e serviços) realizadas por pessoas jurídicas. Caracterizam-se pelos pagamentos à vista das compras pela instituição financeira diretamente aos fornecedores.
Condicionalidade Conjunto de condições impostas pelo Fundo Monetário Internacional ao país-membro para que este faça uso de recursos do Fundo. Normalmente é objeto de negociações.
Conef Comitê Nacional de Educação Financeira. Responsável por definir planos, programas, ações e coordenar a execução da Estratégia Nacional de Educação Financeira – Enef. É composto pelo diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania do Banco Central, o presidente da Comissão de Valores Mobiliários, o diretor-superintendente da Superintendência Nacional de Previdência Complementar, o superintendente da Superintendência de Seguros Privados, o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, o secretário-executivo do Ministério da Educação, o secretário-executivo do Ministério da Previdência Social, o secretário-executivo do Ministério da Justiça, e quatro representantes da sociedade civil.
Conferência de ações ou quotas no País Integralização de capital subscrito mediante dação, para empresa receptora brasileira, de participação societária (ações ou quotas) detida por investidor não residente em outra empresa receptora brasileira.
Conferência Internacional de ações ou quotas Capitalização de empresa no País com integralização de capital mediante dação, por investidor não residente, de participação societária (ações ou quotas) detida em empresa sediada no exterior ou capitalização de empresa estrangeira com integralização de capital mediante dação de participação societária detida em empresa sediada no País.
Conglomerado Econômico-Financeiro De acordo com o Cosif-1.32.1.1 "As instituições financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central devem elaborar suas demonstrações financeiras de forma consolidada, incluindo as participações em empresas localizadas no País e no exterior em que detenham, direta ou indiretamente, isoladamente ou em conjunto com outros sócios, inclusive em função da existência de acordos de votos, direitos de sócio que lhes assegurem, isolada ou cumulativamente (Res. 2.723/2000, art. 3º, I/IV; Res. 2.743/2000, art. 1º): a) preponderância nas deliberações sociais; b) poder de eleger ou destituir a maioria dos administradores; c) controle operacional efetivo, caracterizado pela administração ou gerência comum; e d) controle societário representado pelo somatório das participações detidas pela instituição, independentemente do percentual, com as de titularidade de seus administradores, controladores e empresas ligadas, bem como aquelas adquiridas, direta ou indiretamente, por intermédio de fundos de investimento.
Conglomerado Financeiro De acordo com o Cosif 1.21.1.2 "o conjunto de entidades financeiras vinculadas diretamente ou não, por participação acionária ou por controle operacional efetivo, caracterizado pela administração ou gerência comum, ou pela atuação no mercado sob a mesma marca ou nome comercial".
Consórcio Reunião de pessoas naturais e/ou jurídicas em grupo, com prazo de duração e número de cotas previamente determinados, promovida por administradora de consórcio com a finalidade de propiciar a seus integrantes, de forma isonômica, a aquisição de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento. O contrato de participação em grupo de consórcio, por adesão, poderá ter como referência bem móvel, imóvel ou serviço de qualquer natureza.
Consulta a análise de numerário Feita por meio do Sismecir - Sistema de Gerenciamento do Meio Circulante. Para consultar numerário enviado para exame, clique aqui.
Conta capital Registra as transferências de capital relacionadas com patrimônio de migrantes e a aquisição/alienação de bens não financeiros não produzidos, tais como cessão de patentes e marcas.
Conta do Tesouro Nacional Reflete pagamentos e recebimentos de recursos primários do Tesouro Nacional, depositados no Banco Central, não incluindo as operações com títulos de emissão do Tesouro.
Conta garantida Operações de crédito vinculadas à conta-corrente de pessoas jurídicas, associadas à utilização de limite de crédito pré-estabelecido. Caracterizam-se pela amortização automática do saldo devedor, quando ocorrem depósitos na conta-corrente. Diferenciam-se do cheque especial por causa de solicitação de eventuais garantias.
Contraparte central Entidade que atua como comprador para todo vendedor e como vendedor para todo comprador para uma série específica de contratos, por exemplo, aqueles que se executam em uma bolsa ou bolsas particulares.
Contrato de câmbio O contrato de câmbio é o instrumento firmado entre o vendedor e o comprador de moeda estrangeira, no qual são estabelecidas as condições sob as quais se realiza a operação de câmbio. Como exemplos dessas condições estão os nomes do comprador e do vendedor, a moeda negociada e a taxa de câmbio.
Controladores Para efeito do exame de processos no Banco Central, são considerados como controladores tanto os diretos quanto os indiretos (pessoas jurídicas intermediárias e pessoas físicas controladoras finais). Quando não estiver perfeitamente definido o controle societário da instituição, serão considerados como controladores todos os acionistas/quotistas detentores de ações/quotas com direito a voto, os quais possam se compor com outros acionistas/quotistas para formar o grupo controlador.
Conversão de créditos externos Transformação de um crédito detido no País por pessoa física ou jurídica domiciliada no exterior, passível de gerar remessa direta de moeda estrangeira pelo devedor ao credor, em outra modalidade de crédito externo ou em investimento direto ou em portfólio.
Convexidade Corresponde à segunda derivada do preço do título com relação ao seu rendimento. Os preços dos títulos possuem uma relação não linear com o rendimento. A duração captura efeitos lineares de variações nos rendimentos. A convexidade serve para capturar efeitos não lineares.
Cooperativa Sociedade de pessoas, com forma e natureza jurídica próprias, sem fins lucrativos, constituída para prestar serviços aos associados. A Lei 5.764, de 16/12/1971, define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas. Mais informações.
Cooperativas de crédito As cooperativas de crédito devem adotar, obrigatoriamente, em sua denominação social, a expressão "cooperativa", vedada a utilização da palavra "banco". Devem possuir o número mínimo de vinte cooperados e adequar sua área de ação às possibilidades de reunião, controle, operações e prestações de serviços. A Resolução 3.859, de 27/5/2010, altera e consolida as normas relativas à constituição e ao funcionamento de cooperativas de crédito. Mais informações.
Copab Comitê de Instauração de Processos Administrativos do Departamento de Supervisão de Bancos e de Conglomerados Bancários – Desup.
Copan Comitê de Instauração de Processos Administrativos do Departamento de Supervisão de Cooperativas e de Instituições não Bancárias – Desuc.
Copom Comitê de Política Monetária. Foi instituído em 20 de junho de 1996 com o objetivo de estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa básica de juros. O Copom decide a meta da taxa Selic que deve vigorar no período entre suas reuniões e, em alguns casos, o seu viés. A taxa Selic é a média ajustada dos financiamentos diários apurados no Sistema Especial de Liquidação de Custódia (Selic) para títulos federais. Mais informações.
Coremec Comitê de Regulação e Fiscalização dos Mercados Financeiro, de Capitais, de Seguros, de Previdência e Capitalização.
Correspondentes no País Empresas, integrantes ou não do Sistema Financeiro Nacional, contratadas por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil para a prestação de serviços de atendimento aos clientes e usuários dessas instituições. Os correspondentes mais conhecidos são as lotéricas e o banco postal. Mais informações.
Cosif Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional. Mais informações.
Credit Tranches Nome dado pelo FMI às várias parcelas com que cada país contribui com recursos para o Fundo. Isso ocorre porque essa contribuição pode se dar em diferentes moedas.
Crédito pessoal Empréstimos a pessoas físicas, sem vinculação à aquisição de bens ou serviços, mediante a disponibilização de recursos ao tomador para livre utilização.
Créditos do BCB em instituições financeiras Créditos do Banco Central do Brasil em bancos comerciais, de investimento e múltiplos, sociedades de crédito financeiro, caixas econômicas (carteira imobiliária), sociedades de crédito imobiliário e associações de poupança decorrentes de operações de assistência financeira ou de liquidez.
CRSFN Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional. Órgão colegiado, de segundo grau, integrante da estrutura do Ministério da Fazenda, conforme disposto na Lei 9.069, de 29/6/1995. É constituído, paritariamente, por oito conselheiros, possuidores de conhecimentos especializados em assuntos relativos aos mercados financeiro, de câmbio, de capitais, de consórcios e de crédito rural e industrial, observada a seguinte composição: dois representantes do Ministério da Fazenda; um representante do Banco Central; um representante da Comissão de Valores Mobiliários; quatro representantes das entidades de classe dos mercados afins, por essas indicados em lista tríplice. Mais informações.
Cupom Juros pagos periodicamente por títulos de dívida.
Curso forçado Condição definida em lei que torna obrigatória a aceitação da cédula ou moeda nacionais nas transações econômicas realizadas no País.
Curva de juros Relação entre os rendimentos dos títulos e seus prazos de vencimento.
Cusip Número de identificação dos títulos americanos e canadenses, formado por nove dígitos alfanuméricos.
Custo de oportunidade Corresponde à taxa de retorno sobre a melhor alternativa de investimento, que não foi selecionada.
Custódia Dependência de instituição financeira bancária, voltada para o atendimento aos demais bancos, complementando a atuação do Banco Central nas operações de saque/depósito/troca. Atua com recursos à ordem do BC, como fiel depositário.
Custodiante Entidade, em geral um banco, que guarda e administra valores mobiliários para seus clientes e que pode oferecer vários outros serviços incluindo compensação e liquidação, administração de caixa, operações de câmbio e empréstimo de títulos.
CVM Comissão de Valores Mobiliários. Autarquia federal responsável pela regulação, autorização e fiscalização do mercado de capitais no Brasil (aplicações em portfólio, mercado futuro, bolsa de valor). Mais informações.
Data-base Último dia do mês ou semestre civil (independentemente de ser dia útil ou não), com base no qual são elaboradas as demonstrações financeiras e demais informações solicitadas.
Data-limite Prazo regulamentarmente concedido para a entrega/fornecimento das informações solicitadas pelo Banco Central. Sempre que a data-limite coincidir com dia não útil, ela fica automaticamente postergada para o dia útil imediato.
Day-trade Comprar e vender, no mesmo dia, a mesma quantidade de títulos de uma empresa, utilizando para isso a mesma corretora e também o mesmo agente de compensação. A diferença entre o preço de compra e o de venda, multiplicada pela quantidade das ações (considerando também as taxas da operação e os impostos) é o resultado do day-trade.
DCB Debt Conversion Bond. Bônus de Conversão de Dívida.
DDR Demonstrativo diário de acompanhamento das parcelas de requerimento de capital e dos limites operacionais
Dealer de câmbio Bancos por meio dos quais o Banco Central atua no mercado de câmbio. São escolhidos entre as instituições autorizadas a operar em câmbio, segundo critério de volume de negócios e de qualidade na prestação de informações ao BC. Circular 3.083, de 30/1/2002. Mais informações.
Dealer do Mercado Aberto Bancos ou corretoras por meio dos quais o Banco Central atua no mercado aberto. São instituições selecionadas segundo critério de volume de negócios e de qualidade na prestação de informações ao BC. Circular 3.053, de 9/8/2001. Mais informações.
Dealers Instituições financeiras que atuam, por sua conta e risco, no mercado financeiro intermediando operações de compra e venda de títulos.
Debênture Título de crédito originário de um empréstimo contraído por uma empresa, cujos direitos do detentor do papel estão especificados no documento de emissão.
Default Atraso ou não pagamento de título ou cupom na data de seu vencimento. Declaração de insolvência do devedor, decretada pelos credores quando as dívidas não são pagas nos prazos estabelecidos.
Denominação Valor de um item de numerário (cédula ou moeda). Exemplos: R$ 1 (um real), R$ 5 (cinco reais), R$ 0,01 (um centavo).
Depositário Agente cujo papel fundamental consiste em registrar valores mobiliários, em forma física ou eletrônica, e manter um registro da propriedade desses valores.
Depósito (custódia de numerário) Operação de recebimento de numerário na custódia, na qual numerário monetizado é transformado em não monetizado, por intermédio de um crédito na conta Reservas Bancárias a favor da instituição bancária depositante, realizado pelo Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB). Origina-se de instituições bancárias, exclusivamente.
Depósito Prévio Valor exigido dos bancos comerciais, dos bancos múltiplos com carteira comercial e das caixas econômicas para participação nas sessões diárias da Centralizadora da Compensação de Cheques e Outros Papéis-Compe.
Depósitos à vista - Componente da DLSP Depósitos à vista de estados, municípios, empresas estatais e agências descentralizadas no sistema financeiro.
Depósitos de instituições financeiras Compreendem movimentações de reservas monetárias entre o Banco Central e o sistema financeiro, relativas a recolhimentos compulsórios e assistências financeiras de liquidez.
Deságio Diferença entre o valor de mercado de um título e seu valor como garantia. Os emprestadores de fundos fazem deságio para proteger o emprestador, caso surja necessidade de liquidar a garantia devido a perdas originadas por quedas no valor de mercado do título.
Desconto de duplicatas Adiantamento de recursos a pessoas jurídicas vinculado à receita futura de duplicatas mercantis e outros recebíveis (exceto cheques e faturas de cartão de crédito).
Dieese Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos
DIR Depósito Interfinanceiro Vinculado ao Crédito Rural. A Resolução 4.234, de 18/6/2013, estabelece regras para captação de recursos via DIR pelas cooperativas de crédito. Mais informações.
Direcionamento da Poupança Aplicações obrigatórias em financiamentos imobiliários dos recursos captados em caderneta de poupança pelas instituições integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SPBE).
Direito Especial de Saque Ativo de reserva internacional emitido pelo Fundo Monetário Internacional. O Direito Especial de Saque (DES) é composto por uma cesta de moedas que inclui o dólar, o euro, a libra e o iene. O DES pode complementar as reservas oficiais dos países-membros. Esses países também podem efetuar entre si trocas voluntárias de DES por moedas.
Discount Bond Bônus com desconto. Foi emitido como parte da renegociação da dívida brasileira em 1994 (Plano Brady), com vencimento em 2024. Esse bônus foi emitido em troca de dívida antiga, com desconto de 35% sobre o valor de face (daí seu nome), tem amortização única ao final do trigésimo ano e paga coupons de LIBOR de seis meses, mais 0,8125% ao ano. O Discount Bond tem garantia total de principal (com títulos do Tesouro norte-americano servindo como colateral) e garantia parcial de juros.
Discount Notes Obrigações de curto prazo emitidas pelas agências governamentais e supranacionais. Suas emissões têm vencimentos de até um ano e são negociadas pelo desconto sobre o valor de face, como os treasury bills.
Dístico Cada uma das inscrições que constituem o texto da cédula ou da moeda metálica. Pode indicar o valor, o emissor, o fabricante, a data, etc.
Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) Abrange o total dos débitos de responsabilidade do governo federal e dos governos estaduais e municipais junto ao setor privado, ao setor público financeiro e ao resto do mundo. São incluídas também as operações compromissadas realizadas pelo Banco Central com títulos públicos. Os débitos de responsabilidade das empresas estatais das três esferas de governo não são abrangidos pelo conceito.
Dívida externa Dívida pública externa de curto, médio e longo prazos líquida de reservas internacionais e garantias.
Dívida Fiscal Líquida (DFL) Diferença entre a Dívida Líquida do Setor Público e os ajustes patrimoniais. Ver ajuste patrimonial.
Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) Balanceamento entre as dívidas e os créditos do setor público não financeiro (exceto a Petrobras e a Eletrobras) e do Banco Central. A DLSP é usada como base para o cálculo das necessidades de financiamento do setor público (metodologia "abaixo da linha").
Dívida mobiliária do Tesouro Nacional Dívida pública interna do Tesouro Nacional constituída pelos títulos públicos de emissão do Tesouro Nacional registrados no Sistema Eletrônico de Liquidação e Custódia (Selic) ou na Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (Cetip), colocados e resgatados em moeda nacional.
Dívida securitizada Título de responsabilidade do Tesouro Nacional, emitido em decorrência de assunção e renegociação de dívidas da União ou por ela assumidas por força de lei.
Dívidas reestruturadas Dívidas de estados, municípios e estatais com a União decorrentes de operações de crédito externo assumidas pela União relativas aos avisos MF-30 de 29/8/1983, ao BIB, ao Clube de Paris, à divida de médio e longo prazo (DMLP) e ao Programa de Modernização do Setor de Saneamento (PMSS).
Dívidas securitizadas Inclui os Certificados de Privatização (CP), títulos de emissão do Tesouro Nacional utilizáveis na compra de ações de empresas estatais no âmbito do Programa Nacional de Desestatização; as Dívidas Vencidas e Renegociadas (DVR), dívidas vencidas da União e de empresas estatais, assumidas e renegociadas pelo governo federal mediante securitização com emissão de títulos registrados no Cetip; e os Títulos da Dívida Agrária (TDA) em mercado, emitidos pelo Tesouro Nacional nos processos de desapropriação de terras para reforma agrária.
DLO Demonstrativo de Limites Operacionais
DOC-C Documento para transferência de valores entre contas-correntes da mesma ou de diferentes instituições. Sua utilização para transferência de valores para contas de poupança não é de aceitação obrigatória pelos bancos.
Dólar futuro Dólar negociado na BM&F, para liquidação futura.
Dólar pronto Dólar negociado no mercado à vista, geralmente com liquidação em dois dias úteis (D2).
DPDC Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça. Mais informações.
DRA Depósitos a prazo de reaplicação automática
DRCI Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional. Subordinado à Secretaria Nacional de Justiça (SNJ) do Ministério da Justiça, tem como principais funções analisar cenários, identificar ameaças, definir políticas eficazes e eficientes, bem como desenvolver cultura de combate à lavagem de dinheiro. O DRCI visa a recuperação de ativos enviados ao exterior de forma ilícita e de produtos de atividades criminosas, tais como as oriundas do tráfico de entorpecentes, do tráfico ilícito de armas, da corrupção e do desvio de verbas públicas. Além disso, o DRCI é responsável pelos acordos de cooperação jurídica internacional, tanto em matéria penal quanto civil, e figura como autoridade central no intercâmbio de informações e de pedidos judiciais por parte do Brasil.
DRL Demonstrativo de Risco de Liquidez
DRM Demonstrativo de Risco de Mercado
Duração (Duration) Prazo médio ponderado dos fluxos de caixa de um título. Reflete o tempo médio necessário para receber o valor presente dos fluxos de caixa desse título.
DVP 1 Corresponde à transferência dos títulos do vendedor para o comprador simultaneamente à transferência de recursos do comprador para o vendedor. Neste modelo, as operações de transferência de títulos e de recursos são efetuadas uma a uma pelo seu valor bruto em tempo real.
e-BC Sistema de Processo Eletrônico do Banco Central
EBI Estatísticas Bancárias Internacionais
EcE ou DvD Vínculo entre dois sistemas de transferência (liquidação) de valores mobiliários que garante que a entrega ocorre se, e somente se, a outra entrega ocorre e vice-versa.
EcP ou DvP Vínculo entre um sistema de transferência de valores mobiliários e um sistema de transferência de fundos que garante que a entrega ocorre se, e somente se, o pagamento ocorrer.
EFF Programa de Financiamento Ampliado. Linha de Crédito do FMI destinada a apoiar reformas estruturais com prazo de vencimento mais extenso. Mais informações.
Efígie Representação plástica de figura humana, real ou simbólica.
EI Bond Bônus emitido como parte da renegociação da dívida externa brasileira em 1994 (Plano Brady), com vencimento em 2006. Teve um prazo de carência até 1997, quando passou a pagar amortizações semestrais crescentes. Paga juros de LIBOR de seis meses mais 0,8125%, também semestralmente. O EI Bond não tem garantia de principal ou juros.
EIB European Investment Bank. Corresponde ao agente financeiro da União Europeia (UE). Liderado pelos ministros de finanças dos países da UE, o EIB promove empréstimos para empresas transeuropeias e projetos de infraestrutura, notadamente para os países menos desenvolvidos da UE. Também participa de ajuda para o desenvolvimento de aproximadamente 150 países, a maioria ex-colônias europeias.
Elemento de segurança Detalhe da cédula ou da moeda que constitui obstáculo à falsificação.
Embi+ Índice que mostra o desempenho dos títulos negociáveis da dívida externa de países emergentes. É uma carteira teórica composta de Bradies, eurobônus e também de instrumentos em dólar no mercado local. É mais amplo do que o Embi, pois inclui outros títulos que não apenas os Bradies.
Emissão Ato de colocar em circulação cédulas e moedas.
Emissão direta Emissões de títulos públicos realizadas diretamente aos mais diversos agentes econômicos nos termos da lei. Destinam-se, principalmente, à securitização de dívidas da União, operações financeiras estruturadas, assunção e refinanciamento das dívidas de estados, municípios e estatais.
Emissor País ou entidade oficial responsável pela colocação do dinheiro em circulação.
Empréstimo consignado Modalidade de empréstimo em que o desconto da prestação é feito diretamente na folha de pagamento ou de benefício previdenciário do contratante. A consignação em folha de pagamento ou de benefício depende de autorização prévia e expressa do cliente para a instituição financeira. Mais informações.
ENCCLA Criada em 2003, por iniciativa do Ministério da Justiça, como forma de contribuir para o combate sistemático à lavagem de dinheiro no País. Consiste na articulação de diversos órgãos dos três poderes da República, Ministérios Públicos e da sociedade civil que atuam, direta ou indiretamente, na prevenção e combate à corrupção e à lavagem de dinheiro. Mais informações.
Endosso Transferência da propriedade do título de crédito. Por meio do endosso, uma assinatura do beneficiário, o título circula para outras mãos.
Enef Estratégia Nacional de Educação Financeira. Instituída em dezembro de 2010 por meio do Decreto 7.397. Mais informações.
Ensaio monetário Moeda cunhada para modelo ou amostra, confeccionada, muitas vezes, em metal diverso do escolhido para a peça definitiva.
Entrega sem financeiro Entrega de valores mobiliários sem o correspondente pagamento de fundos.
Eonia Euro OverNight Index Average. Taxa de juros publicada pelo Banco Central Europeu.
Era Ano de cunhagem de uma moeda.
ESM Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM, na sigla em inglês, European Stability Mechanism). O ESM substituiu o Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (EFSF, na sigla em inglês, European Financial Stability Facility). O ESM capta recursos com garantia dos países da Zona do Euro e empresta esses recursos a países em crise a taxas menores. Ver Zona do Euro.
Esquema de pagamento Registro dos valores e respectivas datas de vencimento das parcelas de principal, juros e encargos, no Registro Declaratório Eletrônico - RDE, módulo Registro de Operações Financeiras - ROF.
Estampa Conjunto de características físicas e/ou gráficas de um grupo de cédulas.
Estban Estatística Bancária por município. Consiste em subsistema estatístico do sistema Cosif, representado pelos documentos 4510 (Estban Global) e 4500 (Estban Mensal), contemplando a posição mensal dos saldos das principais rubricas de balancetes dos bancos comerciais e dos bancos múltiplos com carteira comercial. Esses dados contábeis, além de servirem para estudos macroeconômicos, são primordiais para a classificação das agências em função da praça em que estão instaladas. Mais informações.
Estfin Estatística Econômico-Financeira. Documento 4150: consiste em desdobramento estatístico segundo a classificação econômica do tomador ou beneficiário da operação, em conformidade com as instruções em vigor, cujos saldos têm correspondência com o Balancete Geral Analítico (ver transação PCOS920, opção 6, que traz a correspondência entre os códigos das contas do Cosif com os códigos da Estfin). Mais informações.
ETF Exchange Traded Fund. Fundo de Índice. Fundos formados por ações de empresas que acompanham o movimento dos principais índices da Bolsa.
EUR Euro
Eurobond Título com valor nominal expresso em dólares norte-americanos ou em outras moedas e vendido a investidores fora do país de origem da moeda usada.
Eurobônus (Eurobonds) Títulos de renda fixa (bonds) emitidos no Euromercado, cujo prazo varia de um a trinta anos, podendo também ser denominados em diversas moedas, como dólar, euro, etc. Instrumento inicialmente utilizado por emissores de perfil de crédito privilegiado (governos, entidades supranacionais, grandes empresas e bancos) com o objetivo de obter custos de captação inferiores a seus mercados domésticos.
Euroclear Instituição europeia que realiza a custódia e a liquidação financeira de operações com ações e títulos em moeda estrangeira.
Exergo Parte inferior da moeda, onde geralmente se grava a data.
Exigibilidade adicional sobre depósitos Recolhimento compulsório e encaixe obrigatório calculado com base nos saldos de recursos a prazo, de depósitos de poupança e de recursos à vista.
Exposição cambial Total de exposição em ouro, moeda estrangeira e em ativos e passivos referenciados na variação cambial mantida por uma instituição.
Extrabolsa ou de balcão Método de negociação que não envolve uma bolsa. Nos mercados extrabolsa ou de balcão, os participantes negociam diretamente entre si. Também conhecido pela sigla OTC (Over-the-counter).
Família de cédulas e moedas Compreende um conjunto de cédulas e/ou moedas concebidas sob um mesmo projeto. Atualmente o Real possui duas famílias de moedas. A Segunda Família de Cédulas do Real começou a circular em dezembro de 2010 com o lançamento das notas de R$ 50 e R$ 100.
FASB Financial Accounting Standards Board. Conselho de Padrões de Contabilidade Financeira dos EUA.
FAT Fundo de Amparo ao Trabalhador
FATF Financial Action Task Force. Ver Gafi.
Fatores condicionantes da Base Monetária Fontes de criação (emissão de moeda pelo Banco Central) ou destruição (recolhimento de moeda pelo Banco Central) de moeda primária (base monetária). A expansão monetária - caracterizada pela oferta de papel-moeda pelo Banco Central ou o crédito em contas de Reservas Bancárias - é apresentada com sinal positivo. A contração monetária - mediante recebimento de moeda pelo Banco Central ou débito em contas de Reservas Bancárias - figura com sinal negativo.
FCVS Fundo de Compensações de Variações Salariais. Mais informações.
FDA Fundo de Desenvolvimento da Amazônia
FDNE Fundo de Desenvolvimento do Nordeste
FDS Fundo de Desenvolvimento Social. Fundo contábil de natureza financeira, regido pela Lei 8.677, de 13/7/1993, cujos recursos são destinados para o financiamento de projetos de investimento de interesse social, nas áreas de habitação popular. É permitido o financiamento nas áreas de saneamento e infraestrutura, desde que vinculados aos programas de habitação, bem como equipamentos comunitários.
Febraban Federação Brasileira de Bancos
Fed Banco Central dos Estados Unidos. Mais informações.
Fed funds Reservas bancárias que bancos depositários emprestam entre si nos EUA, geralmente por um dia. A taxa a que ocorrem esses empréstimos é a taxa básica de juros americana.
FGC Fundo Garantidor de Créditos. Associação civil sem fins lucrativos, com personalidade jurídica de direito privado, criada em 1995, com o objetivo de administrar mecanismos de proteção aos correntistas, poupadores e investidores para permitir recuperação de depósitos ou créditos mantidos em instituição financeira, em caso de intervenção, de liquidação ou de falência. O total de créditos de cada pessoa contra a mesma instituição associada, ou contra todas as instituições associadas do mesmo conglomerado financeiro, é garantido até o valor de R$ 250 mil.
FGCoop Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito. Tem o objetivo de garantir os depósitos em cooperativas de crédito. A Resolução 4.150, de 30/10/2012, estabelece os requisitos e as características do fundo garantidor de créditos das cooperativas singulares de crédito e dos bancos cooperativos integrantes do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC). Mais informações.
FGDLI Fundo de Garantia dos Depósitos e Letras Imobiliárias
FGTS Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. Foi criado em 1967 pelo governo federal para proteger o trabalhador demitido sem justa causa. O FGTS é constituído de contas vinculadas, abertas em nome de cada trabalhador, quando o empregador efetua o primeiro depósito. O saldo da conta vinculada é formado pelos depósitos mensais efetivados pelo empregador, equivalentes a 8% do salário pago ao empregado, acrescido de atualização monetária e juros.
Fibras Elemento de segurança de cédulas, em plástico colorido ou incolor, disperso na massa do papel. As fibras podem possuir propriedades luminescentes.
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de São Paulo
Filigrana Elemento de segurança de cédulas, também conhecido como "marca d"água", visível através de luz emergente, moldado na massa de papel sob maior ou menor densidade de pasta, quando do processo de fabricação, formando-se imagens definidas.
Finame Agência Especial de Financiamento de Máquinas e Equipamentos
Financiamento externo Designa, principalmente, financiamento à importação com prazo de pagamento superior a 360 dias e, subsidiariamente, financiamento de projeto por organismo internacional e agência governamental, bem como financiamento de importação de tecnologia, de importação de bem intangível e de aluguel, arrendamento e afretamento, todos com prazo de pagamento superior a 360 dias.
Fio de segurança Elemento de segurança de cédula, em material metálico ou plástico, colocado na massa do papel, podendo conter inscrições, códigos, sinais magnéticos, propriedades luminescentes, etc.
Fipe Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo
FITVM Fundos de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários
FLAR Fundo Latino-Americano de Reservas. Organização para ajuda em períodos de crise no Balanço de Pagamentos. Fundado em 1978, como Fundo Andino de Reservas, transformou-se em Fundo Latino-Americano de Reservas para permitir a participação de todos os países da América Latina.
Flirb Bônus emitido como parte da renegociação da dívida brasileira em 1994 (Plano Brady), com vencimento em 2009. Teve prazo de carência até 2003, quando passou a pagar amortizações semestrais fixas. Pagava juros fixos de Libor de seis meses mais 0,8125%, também semestralmente. O Flirb não tinha garantia de principal ou juros.
Float ou floating Recursos transitoriamente mantidos ou depositados em bancos, geralmente sem remuneração para o depositante/correntista.
Flor de cunho Moeda ou medalha em perfeito estado de conservação, sem qualquer sinal de circulação.
Flor de estampa Cédula em perfeito estado de conservação, sem qualquer sinal de circulação.
FMI Fundo Monetário Internacional. Organismo financeiro internacional criado em 1944 com o objetivo de promover a cooperação monetária entre os países-membros, coordenar a estabilidade cambial internacional, auxiliar países na resolução de problemas financeiros temporários no Balanço de Pagamentos. Mais informações.
FMI - Artigo IV Artigo do regulamento do Fundo que prevê consultas anuais aos países-membros, nas quais são feitas avaliações do desempenho macroeconômico do período.
FMI - Artigo VIII Artigo do regulamento do Fundo que restringe a possibilidade de o país-membro impor restrições cambiais a operações na conta de transações correntes.
FMM Fundo da Marinha Mercante. A Resolução 3.828, de 17/12/2009, dispõe sobre a aplicação dos recursos do FMM. Mais informações.
FMP-FGTS Fundos Mútuos de Privatização com recursos do FGTS
FNE Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste
FNO Fundo Constitucional de Financiamento do Norte
FOB Free On Board. Livre a Bordo (porto de embarque designado).
Fonplata Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata. Criado em 1974, com sede em Santa Cruz de La Sierra, Bolívia, tem como países-membros Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai e se destina ao financiamento de estudos, projetos e programas de desenvolvimento no âmbito da Bacia do Rio da Prata e de suas áreas de influência.
Front office Área responsável pela gerência dos investimentos (mesas de operações).
FSAP Financial Sector Assessment Program (Programa de Avaliação do Setor Financeiro). Instituído em 1999, consiste em uma análise aprofundada do setor financeiro de um país. O FSAP é realizado em conjunto por equipes do Banco Mundial e do FMI. Tem dois grandes componentes: avaliação da estabilidade financeira e avaliação do desenvolvimento financeiro. Mais informações.
FSF Fiscal Stabilization Fund. Criado, em 1999, para promover a estabilidade financeira, melhorar o funcionamento dos mercados e reduzir o risco sistêmico.
FSI Financial Soundness Indicators. Principais indicadores recomendados pelo FMI.
Fumin Fundo Multilateral de Investimentos. Parte do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Promove investimento privado para projetos de desenvolvimento relacionados com microcrédito e acesso a serviços financeiros por populações de baixa renda e pequenos negócios. Mais informações.
Funcafé Fundo de Defesa da Economia Cafeeira
Fundeb Fundo de Desenvolvimento e Manutenção da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação. Regulamentado pela Lei 11.494, de 20/6/2007, substituiu o Fundef.
Fundo de segurança Impressão em offset seco ou úmido nas cédulas, sobre a qual se superpõem as impressões em calcografia e tipografia.
Fundos de repartição de perdas Dinheiro em espécie, valores mobiliários ou outros ativos que podem ser entregues pelos participantes antecipadamente e são mantidos pelo sistema para assegurar que os compromissos provenientes dos acordos de repartição de perdas possam ser cumpridos.
Futuros Operações derivativas que representam uma aposta no valor de um determinado ativo (taxa de câmbio, produto mineral ou agrícola, taxa de juros, bônus, etc) em um determinado tempo futuro. Num contrato de futuro, o contratado obriga-se a negociar o ativo a um preço específico e em uma data específica no futuro. Os valores do contrato variam de acordo com os valores do bem negociado.
Gafi Grupo de Ação Financeira contra a Lavagem de Dinheiro e o Financiamento do Terrorismo. Criado em 1989, no âmbito da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com a finalidade de examinar medidas, desenvolver políticas e promover ações para combater a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo. As Recomendações do Gafi são adotadas por mais de 180 países. Mais informações.
Gafisud Grupo de Ação Financeira da América do Sul contra Lavagem de Ativos. Organização intergovernamental de base regional que reúne os países da América do Sul para combater a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo.
Garantia Ativo que é entregue pelo outorgante da garantia para assegurar uma obrigação à parte que toma a garantia. Os acordos de garantia podem tomar diversas formas legais; as garantias podem ser obtidas por transferência de títulos ou penhora.
GATS Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços, firmado em 1994, no âmbito da Organização Mundial do Comércio.
Gerência ativa Desvios intencionais em relação ao portfólio de referência realizados pelo gerente, baseados na suposição de ser possível se antecipar a movimentos de mercado. O objetivo da gerência ativa é obter resultado melhor do que seria obtido com a replicação do portfólio de referência.
Gerência passiva Expressão usada para definir o tipo de estratégia de administração de fundo de investimento. Nesse caso, o administrador busca replicar o retorno da carteira de um índice previamente definido (o benchmark). O objetivo é que o retorno do fundo seja aproximadamente igual, ou um pouco superior, ao retorno do índice escolhido.
Global Bonds Bônus de dívida soberana emitidos em dólar e negociados nos mercados norte-americano e europeu.
GMC Grupo Mercado Comum. Órgão executivo, integrado por representantes dos Ministérios das Relações Exteriores, de Economia/Fazenda e dos Bancos Centrais dos países-membros do Mercosul. Mais informações.
GMM Grupo de Monitoramento Macroeconômico do Mercosul. Formado por autoridades dos Ministérios da Economia/Fazenda e dos Bancos Centrais dos países-membros e associados do Mercosul. Os trabalhos visam a produção e divulgação de estatísticas macroeconômicas harmonizadas, e a busca de convergência entre indicadores de resultado fiscal, de dívida pública e de inflação. Mais informações.
Go-around Leilões informais realizados diretamente com as instituições financeiras credenciadas (dealers) a operar com o Banco Central no mercado monetário.
Gramatura Termo usado pelo Departamento do Meio Circulante (Mecir). É o peso do papel por metro quadrado de superfície.
Grupo de Egmont Grupo de Unidades de Inteligência Financeira (UIFs) formado com o objetivo de incrementar o apoio aos programas nacionais de combate à lavagem de dinheiro dos países que o integram. Mais informações.
Guilhochê Termo usado pelo Departamento do Meio Circulante (Mecir). Desenhos contínuos e simétricos em que a ponta de trabalho retorna ao ponto de partida.
Hedge Operações realizadas com o objetivo de obter proteção contra o risco de variações de taxas de juros, de paridade entre moedas e do preço de mercadorias. A regulamentação sobre operações de proteção (hedge) negociadas no exterior pode ser consultada no Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais.
HIPC Países Pobres Altamente Endividados (HIPC, na sigla em inglês, Heavily Indebted Poor Countries). Conjunto de países que apresentam problemas crônicos de pobreza e endividamento, e que merecem atenção especial por parte do Fundo Monetário Internacional.
Hot money Hot money, em sua origem, designa fundos aplicados em ativos financeiros, em diversos países, que atraem pela possibilidade de ganhos rápidos devido a elevadas taxas de juros ou a grandes diferenças cambiais. São operações de curtíssimo prazo, em que os recursos podem ser deslocados de um mercado para outro com muita rapidez. Esses recursos são administrados por especuladores no mercado de câmbio e caracterizam-se por alta volatilidade, em oposição às aplicações de bancos centrais, bancos de investimento ou investidores domésticos. Por essa particularidade, são considerados causadores de turbulências nos mercados financeiros, em algumas situações. No Brasil, o termo hot money, amplamente empregado por bancos comerciais, por extensão de sentido aplica-se também a empréstimos de curtíssimo prazo (de 1 a 29 dias). Esses empréstimos têm a finalidade de financiar o capital de giro das empresas para cobrir necessidades imediatas de recursos.
IAIS International Association of Insurance Supervisors. Associação Internacional de Supervisores de Seguros.
IASB International Accounting Standards Board. O Comitê de Normas Internacionais de Contabilidade é um organismo independente cujo objetivo é alcançar uniformidade nos princípios contábeis utilizados pelas empresas e outras instituições que preparam demonstrações contábeis. O IASB publica e revisa as Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS, na sigla em inglês - International Financial Reporting Standards). O IASB substituiu o IASC - International Accounting Standards Committee. O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e o Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon) são as entidades brasileiras que representam o Brasil no IASB.
Iban International Bank Account Number. Padrão internacional de identificação para fins de transferências internacionais de recursos para contas bancárias mantidas no Brasil.
IBC-Br Índice de Atividade Econômica do Banco Central – Brasil. Desde 2010, retroagindo a janeiro de 2003, o BC divulga o IBC-Br. Esse índice, de periodicidade mensal, é uma medida antecedente da evolução da atividade econômica. Incorpora estimativas para a agropecuária, a indústria e o setor de serviços, assim como os impostos sobre os produtos. É, portanto, um indicador que incorpora a trajetória de variáveis consideradas como proxies (medidas aproximadas de outras) para o desempenho dos três principais setores da economia.
IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mais informações.
Ibovespa É o mais importante indicador do desempenho médio das cotações do mercado de ações brasileiro. Retrata o comportamento dos principais papéis negociados na BM&FBOVESPA.
Ibracon Instituto dos Auditores Independentes do Brasil. Tem a função de discutir, desenvolver e aprimorar as questões éticas e técnicas da profissão de auditor e de contador.
ICB Informações Complementares ao Balancete
IC-Br Índice de Commodities Brasil. Divulgado mensalmente pelo Banco Central, é um indicador que objetiva identificar a parcela das variações de preços das commodities nos mercados internacionais relevante para explicar a dinâmica da inflação doméstica.
ICC Indicadores de Condições de Crédito. Mais informações.
ICEI Índice Conjuntural de Emprego Industrial
Icomon Comitê Internacional de Museus Monetários e Bancários
ICURN International Credit Union Regulators" Network. Rede internacional de reguladores de cooperativas de crédito. Promove a orientação dos países do G20 para maior coordenação internacional entre os reguladores de serviços financeiros.
IDA International Development Association. Associação Internacional de Desenvolvimento. Parte do Banco Mundial que ajuda os países mais pobres. Estabelecida em 1960, tem o objetivo de reduzir a pobreza com empréstimos e doações para programas que promovam o crescimento econômico, reduzam a desigualdade e melhorem as condições de vida das populações.
IDU Interest Due and Unpaid Bond. Bônus de Juros Devidos em Atraso.
IEA Instituto de Economia Agrícola
IED Investimento Estrangeiro Direto. Um dos módulos que compõem o Registro Declaratório Eletrônico (RDE) em que são registradas as operações de investimento estrangeiro direto no País (RDE-IED).
IFRS International Financial Reporting Standards. Normas Internacionais de Contabilidade.
IFS International Financial Statistics. Estatísticas Financeiras Internacionais.
IGP-DI Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna. Calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). É uma média ponderada do Índice de Preços por Atacado (60%), do Índice de Preços ao Consumidor (30%) e do Índice Nacional de Custo da Construção (10%).
IGP-M Índice Geral de Preços do Mercado. Calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Também é uma média ponderada do Índice de Preços por Atacado (60%), do Índice de Preços ao Consumidor (30%) e do Índice Nacional de Custo da Construção (10%). O que difere o IGP-M do IGP-DI é que as variações de preços do IGP-M referem-se ao período do dia 21 do mês anterior ao dia 20 do mês de referência; e as do IGP-DI, ao período do dia 1º ao dia 30 do mês de referência.
IICA Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura. Mais informações.
IMF Performance Criteria Critérios de desempenho embutidos nas condicionalidades dos programas do Fundo Monetário Internacional. Em geral, trata-se de metas a serem atingidas por um país, quase sempre em base trimestral.
Importação de bens sem obrigatoriedade de pagamento Decorre de mercadoria importada e pela qual não é devido pagamento. Esse tipo de importação destina-se, usualmente, à integralização de capital de empresas brasileiras por investidor não residente no Brasil, mais conhecido como investimento em bens.
Importação de tecnologia Transferência internacional de tecnologia do exterior para o País, regulado por atos ou contratos sujeitos a averbação pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi). Essas operações são sujeitas a registro no Banco Central, no sistema de Registro Declaratório Eletrônico (RDE), no módulo de Registro de Operações Financeiras (RDE-ROF).
Impressão irisada Impressão multicolorida em que se verifica alteração gradativa das cores das tintas, à semelhança do que ocorre com a íris do olho humano.
Inadimplência Impossibilidade de completar uma transferência de fundos ou de valores mobiliários em conformidade com os termos acordados por razões que não são técnicas ou temporárias.
INCC Índice Nacional de Custo da Construção. Calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).
Incoterms Regras de âmbito internacional e de caráter facultativo que definem responsabilidades (comprador e vendedor) quanto ao pagamento de frete, seguro e despesas portuárias, etc.
Indicador de estampa Letra ou número indicador da estampa da cédula; varia, geralmente, quando muda o aspecto físico da cédula. É impresso em tipografia. Nas notas da Segunda Família do Real, este indicador deixou de ser utilizado na numeração da cédula.
Indicador de número de ordem Conjunto de algarismos que determina a identificação individual da cédula dentro da série. É impresso em tipografia. Nas notas da Segunda Família do Real, este indicador deixou de ser utilizado na numeração da cédula.
Indicador de série Letra, número ou a combinação de ambos, indicando cada conjunto de 100 mil cédulas. É impresso em tipografia. Nas notas da Segunda Família do Real, este indicador deixou de ser utilizado na numeração da cédula.
Indicador de série especial Indicador de série seguido de asterisco (*).
Information ratio Mede o valor adicionado de retorno por unidade adicional de risco com relação a um benchmark. O desvio-padrão dos retornos representa a volatilidade, ou risco, do retorno diferencial com relação a um benchmark. O retorno de um portfólio gerenciado ativamente é normalmente ajustado pelo risco, ou seja, comparando-se o retorno obtido com o risco assumido. Tecnicamente, quanto maior o information ratio (outras variáveis mantidas constantes) melhor a performance de investimento.
INPC Índice Nacional de Preços ao Consumidor
INPI Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Instituição responsável pela averbação das transferências internacionais de tecnologia objeto de registro no módulo Registro de Operações Financeiras (ROF) do sistema Registro Declaratório Eletrônico (RDE).
Inscrição Texto(s) da cédula ou da moeda metálica. Pode indicar o valor, o emissor, o fabricante, a data, etc. Também chamado de dístico.
Instituições financeiras estrangeiras Instituições nas quais a maioria do capital votante esteja sob controle estrangeiro, direto ou indireto. Compreende também instituições constituídas e sediadas no exterior com dependência ou filial no País (Carta Circular 2.345, de 25/1/1993).
Instituições financeiras privadas nacionais Instituições controladas por pessoas físicas ou jurídicas domiciliadas e residentes no País (com participação superior a 50% no capital votante, de acordo com a Carta Circular 2.345, de 25/1/1993).
Instituições financeiras públicas Instituições em que a União ou governos estaduais e municipais detêm participação superior a 50% no capital votante (Carta Circular 2.345, de 25/1/1993).
Integralização do capital Ato de declarar, no Registro Declaratório Eletrônico (RDE), módulo Investimento Estrangeiro Direto (RDE-IED), via Sisbacen, valores agregados ao capital social de empresa receptora de investimento estrangeiro direto.
Investimento em portfólio Trata-se de investimento de não residente no mercado financeiro e de capitais no País (portfolio), sujeito a registro no módulo Portfolio do sistema Registro Declaratório Eletrônico (RDE), via Sisbacen.
IOF Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários. Mais informações.
IOSCO Organização Internacional das Comissões de Valores Mobiliários (IOSCO, na sigla em inglês, International Organization of Securities Commissions).
IPA Índice de Preços por Atacado
IPA-DI Índice de Preços por Atacado - Disponibilidade Interna
IPA-M Índice de Preços por Atacado - Mercado
IPC Índice de Preços ao Consumidor
IPCA Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo. É o índice oficial de inflação no Brasil. O Banco Central usa o IPCA como referência para verificar se a meta estabelecida para a inflação está sendo cumprida. Calculado mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o indicador reflete o custo de vida de famílias com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos, residentes nas regiões metropolitanas de Belém, Belo Horizonte, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo, além do Distrito Federal e do município de Goiânia. Mais informações (Indicadores Econômicos Consolidados).
IPC-Fipe Índice de Preços ao Consumidor - Fipe
Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Mais informações.
ISIN Número de identificação de títulos criado para facilitar as transações internacionais, formado por 12 dígitos alfanuméricos.
JPMorgan GBI Índice de mercado publicado pelo JPMorgan para acompanhamento do mercado de títulos governamentais.
Jurisdição Área territorial dentro da qual o Banco Central do Brasil atua por intermédio de cada uma de suas gerências-técnicas. Para efeito de fiscalização, as instituições financeiras, demais entidades autorizadas a funcionar pelo BC, administradoras de consórcio subordinam-se à gerência-técnica, de acordo com a jurisdição, ou seja, em função de onde está localizada a sede do conglomerado.
KFW Banco alemão de fomento que financia projetos ligados ao meio ambiente.
Lastro metálico Depósito em metal precioso, geralmente em ouro, que garante a conversibilidade do dinheiro em forma concreta de valor.
Lavagem de dinheiro Conjunto de operações comerciais ou financeiras que buscam a incorporação na economia de cada país, de modo transitório ou permanente, de recursos, bens e valores de origem ilícita. A Lei 9.613, de 3/3/1998, tipificou o crime de lavagem de dinheiro como aquele em que se oculta ou dissimula a natureza, a origem, a localização, a disposição, a movimentação ou a propriedade de bens, direitos e valores provenientes, direta ou indiretamente, de determinados crimes antecedentes. A Lei 12.683, de 9/7/2012, alterou a Lei 9.613/98 para tornar mais eficiente a persecução penal dos crimes de lavagem de dinheiro. Mais informações.
LDO Lei de Diretrizes Orçamentárias. Contém as metas e as prioridades da administração pública federal, e cumpre as seguintes funções: 1) estabelecer as metas e prioridades para o exercício financeiro no período subsequente ao de sua preparação; 2) orientar a elaboração do Orçamento; 3) dispor sobre alteração na legislação tributária; e 4) estabelecer a política de aplicação das agências financeiras de fomento. Com base na LDO aprovada pelo Legislativo, a Secretaria de Planejamento, Controle e Gestão elabora a proposta orçamentária para o ano seguinte, em conjunto com os órgãos e entidades dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.
Leasing financeiro Aluguel de equipamentos por um período estabelecido, ao final do qual o arrendatário pode decidir pela compra ou não do bem.
Legenda Textos que ocupam a orla da moeda e, nas cédulas, indicam painel, efígie ou "portrait".
Leinf Leilão Informal Eletrônico de Moeda e de Títulos, módulo complementar do Selic.
Letra Financeira A LF tem o objetivo de alongar o prazo de captação das instituições financeiras. Pode ser emitida por bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de desenvolvimento, bancos de investimento, sociedades de crédito, financiamento e investimento, caixas econômicas, companhias hipotecárias e sociedades de crédito imobiliário, e pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A remuneração pode ser por taxa de juros prefixada ou por índice de preços; admite pagamento periódico de rendimentos em intervalo de, no mínimo, 180 dias. Resolução 4.123, de 23/8/2012. Mais informações.
LFT Letra Financeira do Tesouro. Título de responsabilidade do Tesouro Nacional, emitido para a cobertura de deficit orçamentário, exclusivamente sob a forma escritural, no Selic. Mais informações.
LIBID London Inrterbank Bid Rate. Calculada a partir da LIBOR, é a taxa de juros do mercado internacional à qual os bancos internacionais aceitam depósitos a prazo.
LIBOR London Interbank Offered Rate. Taxa Interbancária do Mercado de Londres. Taxa de juros preferencial, do mercado internacional, utilizada entre bancos de primeira linha no mercado de dinheiro (money market).
Líder de Conglomerado Financeiro Instituição pertencente a conglomerado financeiro, responsável pela elaboração e entrega ao Banco Central do Brasil das demonstrações financeiras consolidadas. Ainda que o item 1.21.1.5 do Cosif tenha sido revogado, continua-se adotando a seguinte ordem de prioridade no tocante à identificação do líder de conglomerado financeiro: a) banco múltiplo; b) banco comercial; c) banco de investimento; d) sociedade de crédito, financiamento e investimento; e) sociedade de crédito imobiliário; f) sociedade de arrendamento mercantil; e g) sociedade corretora de títulos e valores mobiliários.
Limite de crédito Limite à exposição creditícia que um participante do sistema de pagamento incorre vis-à-vis outro participante (limite bilateral) ou vis-à-vis todos os demais participantes (limite multilateral) como resultado do recebimento de pagamentos que ainda não tenham sido liquidados.
Limite de posição Restrição sobre o número de contratos ou sobre a participação na posição em aberto de um contrato que uma única entidade pode manter.
Limite operacional Limite, em valor financeiro, concedido pelas instituições financeiras detentoras de conta Reservas Bancárias às sociedades corretoras de títulos e valores mobiliários e às distribuidoras de títulos e valores mobiliários para fins de liquidação financeira de suas operações.
Liquidação Processo de extinção de obrigações referentes à transferência de recursos financeiros ou títulos entre dois ou mais agentes.
Liquidação antecipada Clientes que tenham tomado empréstimos de bancos podem solicitar a liquidação antecipada do débito, total ou parcialmente, com redução proporcional dos juros. O banco deve conceder desconto pela antecipação do pagamento, de acordo com o prazo de antecipação das parcelas. A liquidação antecipada pode ser feita com a utilização de recursos próprios ou por transferência de recursos a partir de outro banco. Mais informações.
Liquidação bruta em tempo real Liquidação de obrigações, uma a uma, em tempo real.
Liquidação definitiva A extinção de uma obrigação mediante a transferência de fundos ou a transferência de valores mobiliários de maneira irrevogável e incondicional.
Liquidação diferida Liquidação realizada em momento posterior ao de aceitação das operações que dão origem às correspondentes obrigações. Ocorre, ao final do dia, pelo valor líquido compensado.
Liquidação extrajudicial A liquidação extrajudicial, a intervenção e o RAET são regimes especiais a que instituições financeiras podem ser submetidas pelo Banco Central. Mais informações.
Liquidez intradia Fundos a que se pode ter acesso durante um dia útil, geralmente para permitir às instituições financeiras realizar pagamentos em tempo real.
LOA Lei Orçamentária Anual. Fixa os recursos públicos a serem aplicados, a cada ano, nas ações de governo. O Orçamento da União se divide em três peças: Fiscal; de Seguridade Social; e de Investimentos das empresas em que a União detenha a maioria do capital social, com direito a voto. O Projeto de Lei Orçamentária deve observar as prioridades contidas no Plano Plurianual (PPA) e as metas que deverão ser atingidas naquele ano. A Lei Orçamentária disciplina todas as ações do governo federal. Nenhuma despesa pública pode ser executada fora do Orçamento, mas nem tudo que está ali previsto é executado pelo governo federal. A Lei Orçamentária brasileira estima as receitas e autoriza as despesas de acordo com a previsão de arrecadação. Havendo a necessidade de realização de despesas acima do limite previsto na lei, o Poder Executivo submete ao Congresso Nacional projeto de lei de crédito adicional. O Poder Executivo pode, ainda, editar decretos de contingenciamento, em que são autorizadas apenas despesas no limite das receitas arrecadadas.
LOI Carta de intenção assinada entre as partes quando um empréstimo é solicitado (LOI, na sigla em inglês, Letter of Intent).
London Gold Fixing Cotação do ouro fixada pela London Bullion Market Assotiation.
LSPA Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - Produzido pelo IBGE, obtém informações mensais sobre previsão e acompanhamento de safras agrícolas, com estimativas de produção, rendimento médio e áreas plantadas e colhidas. Os municípios são a unidade de coleta. A pesquisa foi iniciada em 1972. Mais informações.
LTN Letra do Tesouro Nacional. Título de responsabilidade do Tesouro Nacional, emitido para a cobertura de deficit orçamentário, exclusivamente sob a forma escritural, no Selic. Mais informações.
Luminescência Elemento de segurança de cédulas, visível sob a ação da luz ultravioleta incidente, obtido por impressão ou no processo de fabricação do papel.
M1 Papel moeda em poder do público + depósitos à vista
M2 M1 + depósitos especiais remunerados + depósitos de poupança + títulos emitidos por instituições depositárias
M3 M2 + quotas de fundos de renda fixa + operações compromissadas registradas no Selic
M4 M3 + títulos públicos de alta liquidez
MACC Método de Avaliação de Cooperativa Central
Macon Método de Avaliação de Administradora de Consórcio
Magreb Bank BMICE. Banque Maghrébine d"Investissement et de Commerce Extérieure. Banco do Magreb de Investimento e Comércio Exterior / UMA (Union Maghreb Arabe)
Manager Instituições contratadas para gerenciar parte das reservas internacionais. Ver PGER - Programa de Gerenciamento Externo das Reservas Internacionais.
Maquete Fase de composição da cédula, já contendo os seus principais elementos, que é submetida às autoridades competentes, para aprovação do desenho. Na linguagem gráfica, é o leiaute.
Marca d´água Elemento de segurança de cédulas, também conhecido como "filigrana", visível através de luz emergente, moldado na massa de papel sob maior ou menor densidade de pasta, quando do processo de fabricação, formando-se imagens definidas.
Marcar a mercado (mark-to-market) Processo pelo qual uma posição (estoque de ativos) ou portfólio (carteira de investimentos) é avaliada baseada no preço de fechamento do dia corrente. Em vez de ser avaliada pelo preço original de compra, o portfólio é avaliado pelo seu valor corrente de mercado, refletindo quaisquer ganhos ou perdas ainda não realizados que ocorreriam caso a posição ou portfólio fossem imediatamente vendidos.
MCCA Mercado Comum Centro-Americano
MCR Manual de Crédito Rural. Mais informações.
Medalhão Formato, geralmente em forma oval ou circular, em que se pode inscrever uma efígie ou painel.
Meio Circulante Conjunto de cédulas e moedas em circulação em um país, ou seja, o conjunto de cédulas e moedas com poder liberatório (inclusive comemorativas) de posse do público e dos bancos. Mais informações.
Meios de pagamento Conceito restrito de moeda (M1) - Recursos prontamente disponíveis para pagamento de bens e serviços. O M1 é composto pelo papel-moeda em poder do público mais depósitos à vista.
Meios de pagamento ampliados Conceito amplo de meios de pagamentos definido com base no critério de seus sistemas emissores. O M2 corresponde ao M1 e às demais emissões de alta liquidez realizadas primariamente no mercado interno por instituições depositárias. O M3 é composto pelo M2, pelas quotas dos fundos de renda fixa e pelas carteiras de títulos registrados no Selic. O M4 engloba o M3 e os títulos públicos de alta liquidez.
Membro de bolsa Membro de uma bolsa com certos privilégios de negociação. Um membro de uma bolsa não necessariamente é um membro da câmara de compensação da bolsa.
Membro de compensação Membro da câmara de compensação. Todas as negociações devem ser liquidadas por intermédio de um membro de compensação. Um membro direto pode liquidar somente suas próprias obrigações. Um membro geral pode liquidar tanto suas próprias obrigações como as de seus clientes. Também podem existir variantes desses dois tipos de membros de compensação.
Mensagem Conjunto de informações trocadas entre participantes da Rede do Sistema Financeiro Nacional (RSFN) com a finalidade de solicitar uma operação, transmitir um resultado operacional, anunciar uma mudança operacional ou comunicar qualquer outro fato relevante.
Mensagens de crítica Conjunto de mensagens emitidas pelo Sistema Cosif em decorrência das críticas realizadas durante o processamento dos documentos exigidos (erros cadastrais, contábeis e/ou de totalização, de preenchimento/gravação dos documentos e de processamento propriamente ditos, estando incluído nestes o não atendimento aos parâmetros de leiautes estabelecidos), disponibilizado por intermédio da transação PDOC330 para todas as instituições financeiras/demais entidades autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil/administradoras de consórcio. Para listar os erros: "ACC-NO GT O" (usar F11 mostrar a descrição das críticas); e para apresentar erro específico: "código XX" (onde XX é o código da crítica).
MEP Método da Equivalência Patrimonial
Mercado de câmbio No Brasil, o mercado de câmbio é o ambiente em que se realizam as operações de câmbio entre os agentes autorizados pelo Banco Central do Brasil e entre estes e seus clientes, diretamente ou por meio de seus correspondentes. É regulamentado e fiscalizado pelo BC, compreende as operações de compra e de venda de moeda estrangeira, as operações em moeda nacional entre residentes, domiciliados ou com sede no País e residentes, domiciliados ou com sede no exterior e as operações com ouro-instrumento cambial, realizadas por intermédio das instituições autorizadas a operar no mercado de câmbio pelo BC, diretamente ou por meio de seus correspondentes. Incluem-se no mercado de câmbio brasileiro as operações relativas aos recebimentos, pagamentos e transferências do e para o exterior mediante a utilização de cartões de uso internacional, bem como as operações referentes às transferências financeiras postais internacionais, inclusive vales postais e reembolsos postais internacionais. Mais informações.
Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes Segmento existente até 2005, criado pela Resolução 1.552, de 22/12/1988, no qual cursavam, por exemplo, operações relativas a turismo, manutenção de residente, tratamento de saúde, pensões e aposentadorias. O Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e o Mercado de Câmbio de Taxas Livres foram unificados em 2005 com a Resolução 3.265. Desde então, há um único mercado de câmbio no País.
Mercado de Câmbio de Taxas Livres Segmento existente até 2005, criado pela Resolução 1.690, de 18/3/1990, no qual cursavam, por exemplo, operações relativas a exportação e importação e operações sujeitas a registro no Banco Central. O Mercado de Câmbio de Taxas Livres e o Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes foram unificados em 2005 com a Resolução 3.265. Desde então, há único mercado de câmbio no País.
Mercado oversold (sobrevendido) Situação em que as reservas bancárias livres são inferiores às necessidades de financiamento dos títulos públicos federais fora do Banco Central.
Mercado undersold (subvendido) Situação em que as reservas bancárias livres são superiores às necessidades de financiamento dos títulos públicos federais fora do Banco Central.
Mercosul Mercado Comum do Sul. Bloco econômico formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai. Em 2012, passou pela primeira ampliação desde sua criação, com o ingresso definitivo da Venezuela. O Mercosul tem o objetivo de criar um mercado comum com livre circulação de bens, serviços e fatores produtivos; adotar uma política externa comum; coordenar posições conjuntas em foros internacionais; coordenar políticas macroeconômicas e setoriais; e harmonizar legislações nacionais, tendo em vista uma maior integração. Coordenação brasileira a cargo do Ministério das Relações Exteriores. Mais informações.
Microchancela Assinatura reduzida impressa na cédula por tipografia ou offset, como elemento de autenticação.
Middle Office Área responsável pela administração do risco, proposta de benchmark, compliance e tecnologia de uma instituição financeira.
Milheiro Bloco cintado contendo dez centenas (mil cédulas).
Modelo de cédula Cédula de tipo idêntico às impressas em circulação, distribuída às autoridades monetárias e policiais para comparação de legitimidade e estudos.
Moeda comemorativa Moeda metálica, de cunhagem limitada, lançada em comemoração a eventos importantes.
Moeda metálica Moeda cunhada em metal, de curso forçado pelo valor nela gravado.
Moirè Elemento de segurança de cédula que consiste no efeito ótico gerado pela superposição ideal de vários sistemas de linhas.
Monograma Grupo de letras conjugadas ou entrelaçadas.
Mould-made Processo utilizado para inserção de filigrana na cédula, no qual ela é moldada durante a fabricação do papel, sob maior ou menor densidade de pasta.
MYDFA Multi-Year Deposit Facility Agreement - Acordo Plurianual de Facilidade de Depósito. Refere-se, efetivamente, ao reescalonamento plurianual da dívida de médio e longo prazos, adotado na negociação da dívida externa em 1988. Neste acordo, foram reescalonadas as parcelas de principal dos compromissos de natureza financeira devidos às instituições financeiras no exterior com vencimentos no período de 1.1.1987 a 31.12.1993, inclusive as relacionadas aos contratos de dinheiro novo de 1983 e 1984 e, ainda, aos recursos reestruturados relativos a 1983 (Fase I), 1984 (Fase II) e 1985 (Fase III).
NAB Acordo que o Fundo Monetário Internacional mantém com seus membros mais ricos, para eventual aporte emergencial de recursos por parte desses membros.
Não liquidante Instituição financeira que liquida suas operações por intermédio de um dos participantes liquidantes.
Não repúdio Capacidade de prevenir a rejeição ou repúdio por parte do remetente ou do receptor de uma mensagem de pagamento.
Nasdaq National Association of Securities Dealers Automated Quotation System. Bolsa dos EUA em que são negociados papéis de empresas de alta tecnologia em informática, eletrônica, telecomunicações.
Necessidade de Financiamento do Setor Público (NFSP) NFSP – Conceito nominal: calculada a partir da variação mensal da Dívida Fiscal Líquida (DFL). NFSP – Conceito operacional: conceito nominal excluída a atualização monetária incidente sobre a DLSP (para o cálculo da atualização monetária mensal, utiliza-se como deflator o IGP-DI centrado ao final do mês –média geométrica do IGP-DI do mês e do mês subsequente). NFSP – Conceito primário: conceito nominal excluídas as despesas de juros nominais incidentes sobre a DLSP, calculadas pelo critério de competência, e incluídas as receitas de juros relativas às reservas internacionais (utiliza-se a taxa média de câmbio de compra para converter os valores expressos em dólares para reais). NFSP – Juros reais: representa a diferença entre os encargos financeiros totais (juros nominais) e a parcela de atualização monetária no mês.
Necessidade de financiamento externo Diferença entre o deficit em transações correntes e os investimentos estrangeiros diretos.
NJ Código de classificação de empresas e pessoas físicas para identificar a natureza jurídica no Cademp.
NMF Nação Mais Favorecida. Princípio estabelecido pela Organização Mundial do Comércio (OMC). Proíbe regras de importação discriminatórias entre os países-membros, exceto quando baseadas numa cláusula que garante tratamento preferencial aos países em desenvolvimento.
Notificação de Advertência (NA) Por intermédio desse documento, as instituições financeiras e demais entidades autorizadas a funcionar são informadas quanto à aplicação da penalidade de advertência, pelo Banco Central, em virtude de irregularidade apurada, observado o disposto na Resolução 2.901, de 31/10/2001. Essa penalidade não se aplica às administradoras de consórcio, visto que tais empresas observam outro ato normativo, ou seja, a Circular 2.381, de 18/11/1993. Mais informações.
Notificação de Irregularidade (NI) Por intermédio desse documento, o Banco Central alerta às instituições financeiras e demais entidades autorizadas a funcionar, inclusive as administradoras de consórcio, sobre a existência de irregularidade na entrega de documentos e/ou de multa pendente de pagamento, cabendo registro no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal e inscrição na Dívida Ativa.
Notificação de Multa (NM) Por intermédio desse documento, as instituições financeiras e demais entidades autorizadas a funcionar, inclusive administradoras de consórcio, são informadas quanto à aplicação de penalidade pecuniária, pelo Banco Central, em virtude de irregularidade apurada, observado o disposto na Resolução 2.901/2001.
Novação Cumprimento e cancelamento de obrigações contratuais vigentes substituindo-as por novas obrigações (cujo efeito, por exemplo, é substituir obrigações de pagamento brutas por líquidas). As partes envolvidas nas novas obrigações podem ser as mesmas que as das obrigações prévias ou, no contexto de alguns acordos de câmaras de compensação, pode adicionalmente haver a substituição das partes.
NTN Nota do Tesouro Nacional. Título de responsabilidade do Tesouro Nacional, emitido para a cobertura de deficit orçamentário, exclusivamente sob a forma escritural, no Selic. Mais informações.
Nuci Nível de Utilização da Capacidade Instalada da Indústria. Indicador utilizado para determinar a possibilidade de expansão da oferta de produtos industriais.
Numerário Cédulas e moedas metálicas.
Numerário a selecionar Numerário que ainda não foi submetido ao processo de saneamento.
Numerário não utilizável Numerário que não reúne condições para voltar à circulação.
Número da cédula Conjunto de algarismos que determina a identificação individual da cédula dentro da série. É impresso em tipografia.
Numismática Ciência que estuda as cédulas, moedas e medalhas.
Nymex New York Mercantile Exchange. Bolsa Mercantil de Nova York.
NYSE New York Stock Exchange. Bolsa de Valores de Nova York.
OCDE Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Com sede em Paris, é uma organização internacional composta por 34 membros. A OCDE foi fundada em 14 de dezembro de 1961, sucedendo a Organização para a Cooperação Econômica Europeia, criada em 16 de abril de 1948.
OEA Organização dos Estados Americanos
Offshore (Bancos) Bancos com licenças limitadas à transação de negócios com pessoas fora da jurisdição de licenciamento.
Offshore (Centros Financeiros) Jurisdições em que grande parte das transações do sistema financeiro envolve pessoas físicas ou jurídicas não residentes na jurisdição e em que a maioria das instituições financeiras envolvidas são controladas por não residentes. Os centros offshore também se caracterizam por serem jurisdições que oferecem tributação baixa ou zero, regulamentação frouxa do setor financeiro, regras mais severas de segredo bancário e anonimato.
OFPUB Módulo complementar ao Selic no qual as instituições financeiras participantes registram suas ofertas nos leilões de títulos públicos federais.
OMC Organização Mundial de Comércio. Organismo responsável pelas negociações comerciais multilaterais de bens e serviços.
Opep Organização dos Países Exportadores de Petróleo. Na sigla em inglês, Opec - Organization of the Petroleum Exporting Countries.
Operação associada Conjunto de operações de compra e venda que, associadas a outras de um conjunto de operações de mesma natureza, somente tem suas operações liquidadas financeiramente, de forma simultânea, pelos resultados compensados.
Operação compromissada Compra de títulos com compromisso de revenda assumido pelo comprador, conjugado com o compromisso de recompra assumido pelo vendedor, para data futura preestabelecida.
Operação de redesconto Operação de compra, com compromisso de revenda de títulos públicos federais registrados no Selic. A operação de redesconto é concedida a exclusivo critério do Banco Central do Brasil, por solicitação das instituições financeiras. Essa modalidade de operação tem suas características como prazo, taxas, etc. definidas na Resolução 2.949, de 4/4/2002. Mais informações.
Operação definitiva Compra de títulos sem assunção de compromisso de revenda assumido pelo comprador e, portanto, sem compromisso de recompra assumido pelo vendedor.
Operações com títulos públicos federais Resultado líquido das compras e vendas de títulos públicos federais, bem como dos financiamentos tomados e concedidos pelo Banco Central com lastro em títulos do Tesouro Nacional. Essas operações visam o controle da liquidez, a administração das taxas de juros no curto prazo e a rolagem da dívida pública federal.
Operações de crédito do sistema financeiro Estoque total das operações de empréstimos e financiamentos concedidos pelas instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional, classificado de acordo com a origem e o direcionamento dos recursos.
Operações defensivas Operações de mercado aberto que visam manter em equilíbrio o mercado de reservas bancárias no curto ou curtíssimo prazo, proporcionando as condições de liquidez adequadas ao bom funcionamento do sistema econômico.
Operações dinâmicas Operações de mercado aberto conduzidas com a finalidade de atingir objetivos em horizontes de médio e longo prazos como, por exemplo, alterar o nível da taxas de juros.
Operações do setor externo Referem-se, principalmente, às compras e vendas de moeda estrangeira pelo Banco Central, as quais resultam dos movimentos de exportação, importação, pagamentos e recebimentos de serviços e das entradas e saídas de recursos financeiros associados às aplicações e resgates dos investimentos de estrangeiros nos mercados financeiro e de capitais, bem como dos rendimentos obtidos nessas aplicações.
Orcam Sistema informatizado para registro e acompanhamento do orçamento do Banco Central do Brasil.
Orla Moldura que delimita a superfície plana da moeda metálica. Geralmente é mais elevada que as gravuras.
Ornatos Elementos secundários da cédula que servem apenas para efeitos de composição artística.
ORTN Obrigação Reajustável do Tesouro Nacional. Título público federal emitido com a característica de pagar remuneração acrescida de correção monetária. O valor unitário do título passou a representar indexador largamente utilizado na economia brasileira. O Plano Cruzado (Decreto-Lei 2.284/86) mudou a denominação da Obrigação Reajustável do Tesouro Nacional (ORTN) para Obrigação do Tesouro Nacional (OTN) e congelou o valor desta em Cr$ 106,40, no período de março/86 a fevereiro/87.
OTC Sigla do termo em inglês over-the-counter. O mesmo que extrabolsa ou mercado de balcão, método de negociação que não envolve uma bolsa. Nesses mercados, os participantes negociam diretamente entre si.
Overdraft Saque a descoberto. Situação que ocorre quando se emite uma ordem de pagamento de valor maior que o existente em uma determinada conta.
Overnight Depósito interbancário vigente do dia da negociação até o dia seguinte, ou, nos fins de semana, de sexta para segunda-feira.
PAA Posto Avançado de Atendimento. Dependência de banco múltiplo com carteira comercial, de banco comercial e de caixa econômica instalada em praça desassistida de serviços bancários prestados por agência ou outro PAA dessas instituições.
PAB Posto de Atendimento Bancário. Instalado por instituição financeira em recinto interno de entidade da administração pública ou de empresa privada, destinado a prestar serviços de exclusivo interesse da instituição hospedeira. Está sempre subordinado a uma agência no mesmo município. Pode ter horário de atendimento diferenciado.
Padrão monetário Denominação da unidade de moeda que serve de base ao sistema monetário.
Painel Alegoria ou motivo que lembra a cultura do país emissor, referindo-se, geralmente, a aspectos históricos, socioeconômicos ou artísticos. Também chamado de vinheta.
Par Bond Bônus emitido como parte da renegociação da dívida brasileira em 1994 (Plano Brady), com vencimento em 2024. O Par Bond tem amortização única ao final do trigésimo ano, diferindo-se do Discount em dois aspectos: a conversão dos créditos antigos em novos foi feita ao par (sem desconto) e a taxa de juros é fixa em 6% do sétimo ao trigésimo ano. O Par Bond tem garantia (títulos do Tesouro norte-americano) total de principal e garantia parcial de juro.
Paraíso fiscal Países ou dependências com tributação favorecida ou que oponham sigilo relativo à composição societária de pessoas jurídicas. Mais informações.
Paridade Relação de preço que se verifica entre duas moedas estrangeiras.
Participante Parte que é reconhecida nas regras de um sistema de pagamento como elegível para intercambiar e liquidar pagamentos através do sistema com outros participantes, de forma direta ou indireta.
Participante indireto Classe de participante em um sistema de pagamento em que existe um acordo de hierarquização. Os participantes indiretos liquidam seus pagamentos nos livros dos participantes diretos e não entre contas na instituição liquidante.
PASCS10 De acordo com a Circular 3.232, de 6/4/2004 – Regulamento do Sisbacen –, as cooperativas de crédito e as sociedades de crédito ao microempreendedor ficam isentas do ressarcimento de custos com a utilização do Sisbacen. Essas empresas devem utilizar o aplicativo PASCS10 (acesso ao Sisbacen via internet), disponível para download no site do BC. Mais informações.
PCOSW10 Aplicativo disponibilizado pelo Banco Central no seu site, cuja função básica é auxiliar na tarefa de elaboração do arquivo de dados para o sistema Cosif. A instituição financeira deve acompanhar as atualizações do Plano de Contas, realizadas por meio de carta circular, periodicamente disponibilizadas no site do BC. Comunicado 6.158, de 7/5/1998. Mais informações.
PEA População Economicamente Ativa
PEC Proposta de Emenda Constitucional
Pedaço de cédula com valor Cédulas que apresentem nitidamente mais da metade do tamanho original em um único fragmento podem ser substituídas, depositadas ou utilizadas em pagamentos diretamente em agência de qualquer banco comercial. Mais informações.
PEDD Padrão Especial de Disseminação de Dados. Informações Macroeconômicas Harmonizadas. Mais informações.
PEP Pessoas Politicamente Expostas. Agentes públicos que desempenham ou que tenham desempenhado, nos últimos cinco anos, no Brasil ou em países, territórios e dependências estrangeiros, cargos, empregos ou funções públicas relevantes, assim como seus representantes, familiares e outras pessoas de seu relacionamento próximo.
Petróleo Brent Barril de petróleo negociado no mercado de Londres (LIPE)
Petróleo WTI Barril de petróleo negociado no mercado de Nova York (NYMEX).
PGER Programa de Gerenciamento Externo das Reservas Internacionais (External Asset Management Program). Terceiriza a gestão de pequena parte das reservas para instituições internacionais especializadas em administração de portfólios, tendo como objetivos principais a diversificação de investimentos e a absorção das mais avançadas tecnologias de alocação de ativos, conhecimentos de mercados financeiros internacionais e assuntos afins.
PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar. Garante às famílias agricultoras que acessam o Pronaf Custeio ou o Pronaf Investimento, em caso de baixa de preços no mercado, um desconto no pagamento do financiamento, correspondente à diferença entre o preço de mercado e o preço de garantia do produto.
PIB Produto Interno Bruto. Refere-se ao valor do conjunto de todos os bens e serviços produzidos dentro do território econômico de um país em um determinado período.
Piloto de reservas Profissional ou sistema responsável por apurar continuamente o saldo da Reserva Bancária e monitorar todos os lançamentos a débito e/ou a crédito das instituições financeiras.
PIN Nota para a imprensa emitida pelo Fundo Monetário Internacional, com o objetivo de dar publicidade às atividades deste, de maneira sucinta.
PIS/Pasep São programas assistenciais do governo federal. O PIS é administrado pela Caixa Econômica Federal; o Pasep, pelo Banco do Brasil S/A.
Planejamento estratégico Definição das seguintes orientações estratégicas da Diretoria Colegiada para nortear os planos de trabalho das unidades: Missão Institucional; Macroprocessos; Visão de Futuro; Macro-objetivos e Objetivos Estratégicos para dois anos; Diretrizes e Valores.
Planejamento institucional Planejamento de todas as atividades e projetos a cargo das unidades do Banco Central do Brasil para cumprimento de sua missão institucional e de seus macroprocessos.
Plano Brady Assim chamado em referência ao Secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Nicholas Brady, que o anunciou em março de 1989. Tinha como elemento essencial a novação da dívida objeto de reestruturação, mediante a troca por bônus de emissão do governo do país devedor, que contemplavam abatimento do encargo da dívida, seja sob a forma de redução do seu principal, seja por alívio na carga de juros. No caso brasileiro, o acordo firmado em abril de 1994 referia-se apenas à parte da dívida do setor público com bancos comerciais estrangeiros. O desconto efetivo associado ao acordo foi de 7,6% do valor da dívida afetada pelo acordo.
PLE Patrimônio Líquido Exigido
Poder liberatório Capacidade da cédula, ou moeda, de liberar débitos, de efetuar pagamentos.
Pomcac Refere-se à ação do PPA: Formulação e gerenciamento das políticas monetária, cambial e de crédito.
Ponto-base (Basis point) Convenção utilizada sobretudo no mercado de renda fixa. É uma escala na qual 100 pontos-base representa um por cento. Dadas as pequenas variações que normalmente ocorrem no rendimento dos títulos de renda fixa, essas variações são expressas em termos de pontos-base em vez de pontos percentuais. Uma queda de rendimento de 12,55% para 12,52% pode ser mais facilmente visualizada como uma queda de 3 pontos-base do que como uma redução de 0,03 ponto percentual.
Portabilidade de crédito Possibilidade de transferência de operações de crédito (empréstimos e financiamentos) e de arrendamento mercantil de uma instituição financeira para outra, por iniciativa do cliente, mediante liquidação antecipada da operação na instituição original. As condições da nova operação devem ser negociadas entre o próprio cliente e a instituição que concederá o novo crédito. Mais informações.
Portrait Efígie de personagem homenageado em cédula.
Posição compensada de liquidação multilateral Soma do valor de todas as transferências que foram recebidas por um participante de um sistema de liquidação compensada durante um certo período, menos o valor das transferências que esse participante realizou para todos os outros participantes. Se a soma é positiva, o participante está em uma posição compensada multilateral de crédito (credora); se a soma é negativa, está em uma posição compensada multilateral de débito (devedora).
Posição de câmbio Posição que cada banco autorizado a operar em câmbio mantém em moeda estrangeira, apurada após todas as negociações efetuadas pela instituição (exportações, importações, remessas e ingressos financeiros). A posição de câmbio de uma instituição pode assumir os seguintes resultados: - nivelada: quando o total de compras é igual ao total de vendas; - comprada: quando o total de compras é maior que o total de vendas; - vendida: quando o total de compras é menor que o total de vendas.
Posição financeira Saldo financeiro de um participante, a cada momento, em um sistema de liquidação.
Posição Internacional de Investimento As estatísticas de Posição Internacional de Investimento apresentam os ativos e os passivos externos do País, de acordo com o Manual de Balanço de Pagamentos do FMI. Os saldos guardam estreita relação com os fluxos da conta financeira do balanço de pagamentos e são compilados em cinco itens para posições ativas: investimento direto no exterior, investimento em carteira, derivativos, outros investimentos e reservas internacionais; e em quatro itens para posições passivas: investimento estrangeiro direto, investimento em carteira, derivativos e outros investimentos. Mais informações.
Poupança rural Os recursos são destinados a operações de custeio rural contratadas pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), de custeio rural e de estocagem de produtos integrantes da Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM) e a operações de investimento rural.
PPA Plano Pluri Anual. Plano do governo federal elaborado para quatro anos.
Prática espúria É motivo de devolução de cheque pelo banco sacado. Só pode ser informado por banco que tenha compromisso de pagar o cheque mesmo que não tenha fundos.
Prazo médio Corresponde à média dos prazos para vencimento do saldo ou parcelas remanescentes das operações em curso. É apurado pela ponderação do valor do saldo ou das parcelas das operações pelo prazo a decorrer, dividindo-se esse resultado pelo somatório dos saldos ou parcelas remanescentes das operações. Esse conceito não se aplica às operações de crédito rotativo (conta garantida e cheque especial), nas quais o prazo médio corresponde à média de utilização dos recursos ao longo do mês.
PRE Patrimônio de Referência Exigido. Valor de patrimônio de referência a ser mantido pelas instituições financeiras, na forma da regulamentação em vigor, compatível com os riscos de suas atividades.
Preço de lastro Preço aceito pelo Banco Central nas operações compromissadas por ele realizadas e que as instituições financeiras, por sua iniciativa, utilizam como parâmetro nas operações compromissadas. A tabela de preços da 550 é elaborada pelo BC e divulgada diariamente pela Andima.
Previdência Social - Componente da DLSP Resultado líquido do sistema de previdência social no sistema financeiro, decorrente dos pagamentos de benefícios, recebimentos de contribuições e repasses entre os entes envolvidos.
Previsão de liquidez no mercado de reservas bancárias Mapas atualizados diariamente pelo Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) com informações sobre os principais fatores que impactam as condições de liquidez no mercado de reservas bancárias. Estimativas com periodicidade diária e mensal.
Prime Taxa de juros do mercado interbancário norte-americano.
Prime rate Taxa de juros básica utilizada por bancos comerciais norte-americanos em empréstimos a clientes preferenciais.
Princípios fundamentais para SPIS Diretrizes universais emitidas em janeiro de 2001 por uma Força Tarefa do CPSS para alentar o desenho e operação em todo o mundo de sistemas de pagamento de importância sistêmica (SPIS) mais seguros e eficientes.
Proagro Programa de Garantia da Atividade Agropecuária
Proat Programa de Aperfeiçoamento dos Instrumentos de Atuação do Banco Central no Sistema Financeiro Nacional.
Procapcred Programa de Capitalização de Cooperativas de Crédito. Linha de crédito para aquisição de cotas de capital por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
Proer Programa de Estímulo à Reestruturação a ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional. Mais informações.
Proes Programa de Incentivo à Redução do Setor Público Estadual na Atividade Bancária. Mais informações.
Pronaf Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar. Mais informações.
Pronamp Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural. A Resolução 3.987, de 30/6/2011, consolida as disposições sobre o Pronamp. Mais informações.
Proof Processo especial de cunhagem em que a moeda apresenta fundos espelhados e relevos fosqueados.
Protocolo Número atribuído pelo aplicativo PSTAW10 ao documento transmitido pela instituição/empresa.
Prova No processo de produção da cédula, diz-se das impressões finais para aprovação/definição das cores e tramas gráficas. Dá-se essa denominação também à moeda de tipo idêntico àquelas cunhadas para circulação, distribuída às instituições bancárias e policiais para comparação de legitimidade e estudos.
PTAX As taxas PTAX de compra e de venda correspondem, respectivamente, às médias aritméticas das taxas de compra e de venda das consultas realizadas diariamente. São feitas quatro consultas de taxas aos dealers de câmbio: entre 10h e 10h10; 11h e 11h10; 12h e 12h10; e 13h e 13h10. As taxas de câmbio de compra e de venda referentes a cada consulta correspondem, respectivamente, às médias das cotações de compra e de venda efetivamente fornecidas pelos dealers, excluídas, em cada caso, as duas maiores e as duas menores.
PTAX800 Transação constante do Sisbacen referente a consulta a Taxas de Câmbio Bacen.
Puma Plataforma eletrônica de negociação multiativos da BM&FBovespa.
Quarenta Recomendações Recomendações originais do Gafi, de 1990, que abrangem um conjunto de medidas relacionadas à prevenção da lavagem de dinheiro e que cobrem o sistema judiciário e de aplicação das leis, o sistema financeiro e sua regulamentação e a cooperação internacional. Mais informações.
RAET Regime de Administração Especial Temporária. Regime, com prazo limitado, por meio do qual o Banco Central do Brasil substitui os dirigentes de uma instituição financeira por um conselho de diretores ou por pessoa jurídica especializada com a finalidade de corrigir procedimentos operacionais ou de eliminar deficiências que possam comprometer o funcionamento da instituição. Esse regime não afeta o andamento dos negócios da instituição, que continua a funcionar normalmente, podendo realizar todas as operações para as quais está autorizada. Em consequência, é preservada a relação dos credores e dos devedores com a instituição. Assim, tanto os compromissos de terceiros com a instituição quanto as suas dívidas continuam a vencer nos prazos originalmente contratados.
Rating Risco de crédito dos emissores e das emissões de renda fixa que são avaliados por empresas de rating de crédito, instituições especializadas na determinação e divulgação do risco das corporações, instituições financeiras e países (neste último caso, o chamado risco soberano).
RDE Conjunto de sistemas informatizados destinado à captação eletrônica dos dados relativos às operações de créditos, investimentos externos e importação de tecnologia. Sua implantação trouxe como benefícios a simplificação de procedimentos e significativa redução de custos operacionais para o Banco Central do Brasil e sua clientela, além de permitir maior celeridade e confiabilidade na obtenção de dados. O RDE é estruturado em três grandes módulos: Módulo I - Registro de Operações Financeiras (ROF); Módulos II - Investimentos em Porfólio; Módulo III - Investimento Externo Direto (IED).
Recolhimento Processo por meio do qual numerário com características específicas é retirado definitivamente de circulação, independentemente do seu estado de conservação.
Recolhimentos/encaixes obrigatórios de instituições financeiras Referem-se aos recolhimentos compulsórios (em espécie e/ou títulos federais) mantidos no Banco Central, podendo ser remunerados ou não. Os recolhimentos em títulos correspondem aos valores dos títulos públicos federais que foram vinculados no Selic.
Recursos do FAT - Componente da DLSP Inclui os recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador administrados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES), além de outras disponibilidades do fundo no setor financeiro.
Redesconto do Banco Central Empréstimos de última instância concedidos pelo BC mediante a compra, com compromisso de revenda, de títulos, crédito e direitos creditórios integrantes do ativo das instituições financeiras (bancos múltiplos com carteira comercial, bancos comerciais e caixas econômicas).
Redesconto intradia Operação de compra com compromisso de revenda de títulos públicos federais selicados (registrados no Selic), sem custo, por um período menor que um dia útil. Os títulos são apreçados de forma conservadora pelo Banco Central do Brasil de modo a minimizar o risco de crédito desses títulos.
Reforço de custódia Operação em que o custodiante, mediante autorização prévia, retira dinheiro em espécie no Banco Central do Brasil, sensibilizando positivamente o saldo custodiado.
Registro anverso/reverso ou registro coincidente Elemento de segurança de cédulas que consiste em composição gráfica impressa simultaneamente nas duas faces, de forma que haja perfeita superposição ou complementação de elementos do anverso com correspondentes do reverso, quando observados através de luz emergente. Nas cédulas da Segunda Família do Real, este elemento é chamado de Quebra-Cabeça.
Regra da zero hora Cláusula na lei de falências de alguns países mediante a qual as operações de uma instituição liquidada que tenham sido celebradas depois da meia-noite na data em que se ordena o fechamento da instituição podem ser declaradas como não válidas de forma retroativa.
Regra de repartição de perdas Acordo entre os participantes de um sistema de transferência ou arranjo de uma câmara de compensação em relação à distribuição de quaisquer perdas que surjam quando um ou mais participantes não cumprem com suas obrigações. O arranjo estipula como se repartirá as perdas entre as partes envolvidas no evento deste acordo ser ativado. Também é chamado de acordo de repartição de perdas.
Relatório da Administração Publicação anual do Banco Central do Brasil que tem o objetivo de prestar contas ao cidadão. O relatório vai ao encontro de um dos valores da instituição: a transparência. No fim do documento, constam as demonstrações financeiras do BC. Para ler o relatório: aqui.
Relatório de Estabilidade Financeira Publicação semestral do Banco Central do Brasil que descreve a evolução recente do Sistema Financeiro Nacional, apresenta os resultados de análises de sua resiliência a eventuais choques e avalia suas perspectivas de evolução. Para ler o relatório: aqui.
Relatório de Inflação Publicação trimestral do Banco Central do Brasil que aborda o desempenho do sistema de metas para a inflação, os resultados das decisões passadas de política monetária e a avaliação prospectiva da inflação. O Decreto 3.088, de 21/6/1999, determina que o Relatório de Inflação seja publicado até o último dia de cada trimestre civil. Para ler o relatório: aqui.
Repo Nome reduzido dado às operações de mercado chamadas de Repurchase Agreements ou Acordos de Recompra. Vende-se um título de renda fixa com o compromisso de recomprá-lo em determinada data por determinado preço. Esses acordos ocorrem basicamente em duas situações: por um título estar muito demandado e em falta, um participante do mercado financeiro adquire esse título por um prazo determinado de outro participante; quando um investidor tem interesse em investir sem correr o risco de crédito embutido em operações de depósito normais.
Reservas Bancárias Conta mantida pelos bancos comerciais, bancos múltiplos com carteira comercial, bancos de investimento e caixas econômicas no Banco Central do Brasil. A conta Reservas Bancárias é utilizada para processar diariamente a movimentação financeira dessas instituições, inclusive para fins de cumprimento do recolhimento compulsório.
Reservas internacionais As reservas internacionais no Banco Central são constituídas por ouro monetário, Direito Especial de Saque (DES) e ativos em moeda estrangeira representados por depósitos (overnight, acordo de recompra no Fed, prazo fixo), títulos, títulos de exportação (até outubro de 2000), créditos cedidos a outros países (até fevereiro de 2001) e créditos cursados em acordo de convênio. A posição de reserva no FMI também é computada nas reservas no BC. Mais informações.
Reservas internacionais - Líquida ajustada Haveres no Banco Central em moeda estrangeira, ouro, Direito Especial de Saque (DES) e Posição no Fundo Monetário Internacional menos as obrigações de curto prazo em moeda estrangeira do BC e as obrigações com o FMI.
Reservas internacionais - Liquidez internacional Haveres no Banco Central em moeda estrangeira, ouro, Direito Especial de Saque (DES) e Posição no FMI.
Reservas internacionais brutas Ativos externos prontamente disponíveis, sob controle do Banco Central, cuja principal função é o financiamento de desequilíbrios no balanço de pagamentos ou a regulação da magnitude desses desequilíbrios pelo ajuste do nível da taxa de câmbio mediante intervenção no mercado de câmbio. Abrangem haveres no Banco Central e a posição de reserva no FMI. Mais informações.
Resolução A resolução tem por finalidade divulgar deliberação do Conselho Monetário Nacional.
Resultado nominal com desvalorização cambial Resultado nominal com desvalorização cambial sobre o estoque de dívida mobiliária. Esse era o conceito tradicional do resultado nominal até 2001. A diferença entre o atual resultado nominal está no tratamento da dívida interna indexada ao câmbio. Neste conceito, o tratamento da dívida indexada é o mesmo da dívida interna. Assim, o resultado nominal com desvalorização é definido como a variação nominal dos saldos da dívida interna líquida, mais a variação da dívida externa líquida em dólares, convertida para reais pela taxa de câmbio.
Resultado nominal ou necessidades de financiamento O resultado nominal é o mais tradicional dentro das necessidades de financiamento. Ele é calculado pela variação do endividamento líquido. O resultado nominal é constituído da variação da Dívida Líquida do Setor Público (DLSP), descontada a variação da taxa de câmbio sobre os estoques de dívida interna indexada ao câmbio, de dívida externa e das reservas internacionais. Esses valores, que fazem parte da variação da DLSP e não constituem resultado nominal, são classificados como ajustes metodológicos da área interna e externa.
Resultado operacional Em regimes de inflação elevada, as taxas de juros nominais carregam componente de atualização monetária, isto é, parte das taxas de juros corresponde apenas à manutenção do valor dos ativos. Consequentemente, o resultado nominal dependerá do nível de inflação, gerando superestimação do desequilíbrio orçamentário do setor público. O resultado operacional procura corrigir o efeito da inflação sobre o resultado nominal. Teoricamente, ele significa o resultado do setor público no caso de inflação zero. A hipótese básica para esse conceito é de que a inflação não traz distorções no lado real da economia, apenas com impacto no lado monetário. Assim, o resultado operacional deduz o componente inflacionário sobre o pagamento de juros incidente sobre a dívida líquida interna não indexada ao câmbio.
Resultado primário O resultado primário corresponde ao resultado nominal (NFSP) menos os juros nominais incidentes sobre a dívida líquida interna e externa. Os juros incidentes sobre a dívida do setor público são determinados pelo nível da taxa de juros nominal interna e externa e pela dimensão dos deficit anteriores (dívida atual). A inclusão dos juros no cálculo do deficit dificulta a mensuração do efeito da política fiscal implementada pelo governo. Assim, o resultado primário é importante para avaliar a consistência entre as metas de política macroeconômicas e a sustentabilidade da dívida, ou seja, da capacidade do governo de honrar seus compromissos.
Retorno relativo Diferença entre a rentabilidade de uma carteira de investimento e o benchmark. Ver benchmark.
Reuters Agência internacional de notícias e informações, inclusive cotações de preços de ativos.
Reverso Face da cédula ou da moeda oposta ao anverso. Na moeda, é o lado onde se encontra o valor facial.
Reverso invertido Diz-se do reverso da moeda quando a sua posição é contrária ao que foi determinado oficialmente.
Risco de crédito Risco de que a contraparte na transação não honre sua obrigação nos termos e condições do contrato. O risco de crédito está presente nas chamadas operações de crédito, como empréstimos e financiamentos, em qualquer outra modalidade representada por instrumentos financeiros que estejam no ativo da instituição, seja nas contas patrimoniais, seja nas de compensação.
Risco de custo de reposição Risco de que uma contraparte de uma operação vigente, a ser concluída em data futura, não cumpra com esta na data de liquidação. A inadimplência poderia deixar a parte solvente com uma posição de mercado aberta ou descoberta ou poderia negar à parte solvente os ganhos não realizados sobre tal posição. O risco resultante é o custo de substituir, a preços atuais de mercado, a operação original.
Risco de custódia Risco de perda nos valores mobiliários mantidos sob custódia, ocasionado por insolvência, negligência ou por uma ação fraudulenta do custodiante ou de um subcustodiante.
Risco de emissor Risco de não ser honrado compromisso relacionado com a emissão ou o resgate do principal e acessórios do título ou valor mobiliário, no vencimento previsto.
Risco de liquidação Risco de que uma liquidação em um sistema de transferência não se realize segundo o esperado. Esse risco pode incluir tanto o risco de crédito quanto o de liquidez.
Risco de liquidez Risco de a instituição tornar-se incapaz de honrar suas obrigações ou de garantir condições para que sejam honradas. Pode ser separado em dois tipos: risco de liquidez de financiamento, que se refere à capacidade de ajustar desequilíbrios no fluxo de caixa por meio de novas captações de recursos e risco de liquidez de mercado, que se refere à capacidade de liquidação de posições abertas em tempo hábil, na quantidade suficiente e a preço justo.
Risco de mercado Risco de desvalorização de instrumento financeiro ou de carteira de instrumentos financeiros, decorrente de variação nas taxas de juros, nas taxas de câmbio, nos preços de ações ou nos preços de mercadorias. O risco de mercado está presente nas operações ativas e passivas. Também está ligado aos derivativos, uma vez que se trata de instrumentos financeiros de transferência de risco e proteção contra a volatilidade do mercado.
Risco de principal Risco de o vendedor de um título entregar o ativo, mas não receber o pagamento; ou de o comprador de um título efetuar o pagamento, mas não receber o ativo.
Risco de principal (de capital) Risco de que o vendedor de um valor mobiliário entregue este valor mobiliário, mas não receba o pagamento, ou que o comprador de um valor mobiliário faça o pagamento, mas não receba o valor mobiliário. Neste caso, o valor completo dos valores mobiliários ou dos fundos transferidos está em risco.
Risco financeiro Termo que cobre uma variedade de riscos em que se incorre nas operações financeiras, tanto riscos de liquidez quanto riscos de crédito.
Risco legal Risco de que uma parte sofra uma perda porque as leis ou regulações não dão suporte às regras do sistema de liquidação de valores mobiliários, à execução dos arranjos de liquidação relacionados aos direitos de propriedade e outros interesses que são mantidos pelo sistema de liquidação. O risco legal também surge se a aplicação das leis ou regulações é pouco clara.
Risco operacional Risco de haver erro humano ou falha de equipamentos, programas de informática ou sistema de telecomunicações imprescindíveis ao funcionamento de determinado sistema.
Risco prévio à liquidação Risco de que uma contraparte em uma operação vigente a ser completada em uma data futura não cumpra com o contrato ou acordo durante a vida da operação. É também conhecido como risco de custo de reposição.
Risco sistêmico Risco de que a inadimplência de um participante com suas obrigações em um sistema de transferência, ou em geral nos mercados financeiros, possa fazer com que outros participantes ou instituições financeiras não sejam capazes, por sua vez, de cumprir com suas obrigações (incluindo as obrigações de liquidação em um sistema de transferência) no vencimento. Tal inadimplência pode causar problemas significativos de liquidez ou de crédito e, como resultado, ameaçar a estabilidade dos mercados financeiros.
RMCCI Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais. Instituído pela Circular 3.280, de 9/3/2005, compõe-se dos seguintes títulos: 1) Mercado de Câmbio – disciplina as operações de compra e de venda de moeda estrangeira, as transferências internacionais em reais e as operações envolvendo ouro-instrumento cambial, bem como as matérias necessárias ao seu regular funcionamento; 2) Capitais Brasileiros no Exterior – regula os valores de qualquer natureza, os ativos em moeda, os bens e os direitos possuídos fora do território nacional por pessoas físicas e jurídicas residentes, domiciliadas ou com sede no Brasil; 3) Capitais Estrangeiros no País – contempla os capitais estrangeiros no País e seu registro no Banco Central do Brasil, tratando do investimento estrangeiro direto, das operações financeiras e de outros recursos captados no exterior na forma da legislação e da regulamentação em vigor, inclusive o capital em moeda nacional de que trata a Lei 11.371, de 28/11/2006. Mais informações.
ROF Trata-se de um dos módulos do Registro Declaratório Eletrônico-RDE para registrar as operações de crédito, de serviço e de transferência de tecnologia, como por exemplo: empréstimo em moeda, lançamento de títulos, pagamento antecipado de exportação, importação financiada, serviço de assistência técnica, aluguel, afretamento, arrendamento mercantil financeiro (leasing), arrendamento simples operacional.
Rosácea Formato arquitetônico em forma de rosa; sob o aspecto gráfico, trata-se de tipo de guilhochê em que, geralmente, se apõe uma informação básica da cédula (o valor, por exemplo).
Rotina de otimização Processos de rotina em um sistema de pagamento para determinar a ordem em que os pagamentos são aceitos para a liquidação. As rotinas de otimização são utilizadas para melhorar a liquidez do sistema e para incrementar a eficiência da liquidação.
RSFN Rede do Sistema Financeiro Nacional. Estrutura de comunicação de dados implementada por intermédio de tecnologia de rede, com a finalidade de suportar o tráfego de mensagens entre as instituições financeiras, as câmaras e os prestadores de serviços de compensação e de liquidação, a Secretaria do Tesouro Nacional e o Banco Central do Brasil, no âmbito do Sistema de Pagamentos Brasileiro. Os participantes da RSFN interagem por meio de mensagens.
Samurai Bond Bônus de dívida soberana emitidos em ienes no mercado japonês.
Saneamento Conjunto de atividades voltadas para manter o dinheiro em circulação em boas e seguras condições de uso. É constituído por dois processos: retirada das cédulas falsas e substituição das cédulas desgastadas e/ou descaracterizadas.
Saque (custódia de numerário) Operação de retirada da custódia, na qual numerário não monetizado é transformado em monetizado, por intermédio de um débito na conta Reservas Bancárias contra a instituição bancária sacadora, realizado pelo Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB). São efetuados por instituições bancárias, exclusivamente.
SBPE Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo
SCIG Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil.
SCR Instrumento de registro e consulta de informações sobre as operações de crédito, avais e fianças prestados e limites de crédito concedidos por instituições financeiras a pessoas físicas e jurídicas no País. Foi criado pelo Conselho Monetário Nacional e é administrado pelo Banco Central, a quem cumpre armazenar as informações encaminhadas e disciplinar o processo de correção e atualização da base de dados pelas instituições financeiras participantes. Por ser o principal instrumento utilizado pela supervisão bancária para acompanhar as carteiras de crédito das instituições financeiras, desempenha papel importante na garantia da estabilidade do Sistema Financeiro Nacional e na prevenção de crises. Mais informações.
Segmento Agrupamento das instituições financeiras/empresas segundo o seu objetivo social. É identificado por meio de um ou mais atributos.
Segurança da moeda Compreende o expurgo do dinheiro falso detectado e as ações de emissão de laudos, de monitoramento das técnicas de falsificação, de divulgação das características do dinheiro autêntico, de treinamento de caixas e de colaboração com as autoridades no combate à falsificação.
Sela Sistema Econômico Latino-Americano e do Caribe. Organismo regional intergovernamental, com sede em Caracas, Venezuela. Criado em 1975, é integrado por 28 países: Argentina, Bahamas, Barbados, Belize, Bolívia, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Chile, Equador, El Salvador, Granada, Guatemala, Guiana, Haiti, Honduras, Jamaica, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Suriname, Trinidad e Tobago, Uruguai e Venezuela.
Selic Sistema Especial de Liquidação e de Custódia. É um sistema informatizado que se destina à custódia de títulos escriturais de emissão do Tesouro Nacional, bem como ao registro e à liquidação de operações com esses títulos. Mais informações.
Selo Enccla Iniciativa da Enccla para certificação de cursos e profissionais especializados em prevenção e combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo.
Senacon Secretaria Nacional do Consumidor. Criada pelo Decreto 7.738, de 28/5/2012, tem suas atribuições estabelecidas no art. 106 do Código de Defesa do Consumidor e no art. 3º do Decreto n° 2.181/97. A atuação da Senacon concentra-se no planejamento, elaboração, coordenação e execução da Política Nacional das Relações de Consumo, com seguintes objetivos: (i) garantir a proteção e exercício dos direitos consumidores; (ii) promover a harmonização nas relações de consumo; e (iii) incentivar a integração e a atuação conjunta dos membros do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SNDC). Mais informações.
Série Conjunto de cada 100 mil unidades de cédulas, de mesmo valor e estampa.
Série Especial ou de Reposição Série de cédulas impressas para substituição de cédulas defeituosas das séries normais, antes de sua entrada em circulação. O número da série especial pode ser acompanhado de um asterisco (*). Atualmente este sistema não é mais utilizado na numeração das notas brasileiras.
Serrilha Acabamento trabalhado do bordo da moeda. Antigamente era destinado a impedir o cerceio (raspagem) das moedas cunhadas em metal nobre.
Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis Serviço instituído e conferido por lei ao Banco do Brasil, como instrumento do desenvolvimento de um eficiente sistema de pagamentos.
Serviços de meio circulante Compreendem o provimento de cédulas e moedas aos bancos e a manutenção do dinheiro em circulação em boas e seguras condições de uso.
Setor Público não Financeiro Administrações diretas e indiretas nas esferas federal, estaduais e municipais, o sistema público de previdência social e as empresas estatais não financeiras federais, estaduais e municipais, além da empresa Itaipu Binacional. Incluem-se também no conceito de setor público não financeiro, os fundos públicos que não possuem característica de intermediários financeiros, isto é, aqueles cuja fonte de recursos é constituída de contribuições fiscais ou parafiscais. O Banco Central do Brasil é incluído na apuração da dívida líquida pelo fato de transferir seu resultado automaticamente para o Tesouro Nacional, além de ser o agente arrecadador do imposto inflacionário.
SFH Sistema Financeiro da Habitação
SFN Sistema Financeiro Nacional
SGS Sistema Gerenciador de Séries Temporais. Esse sistema tem o objetivo de consolidar, tornar disponíveis informações econômico-financeiras e manter uniformidade entre os documentos produzidos com base em séries temporais nele armazenadas. As séries podem ser consultadas individualmente, em grupos ou listas personalizadas, ou de forma automática. Mais informações.
Sica Sistema de Integração Centro-Americana / MCCA
Sicap Sistema de Informação Computadorizado de Apoio ao CCR / Aladi
Sidoc Sistema de Informações Documentais. Sistema em que são registrados os documentos de ordem interna e externa tratados no Banco Central.
Sinapi Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil
Sisbacen Sistema de Informações do Banco Central. Conjunto de recursos de tecnologia da informação, interligados em rede, utilizado pelo BC na condução de seus processos de trabalho. Mais informações.
Sisbex Sistema da BM&FBovespa para negociação eletrônica e registro de operações realizadas com títulos públicos de renda fixa, contratos de câmbio, títulos privados, contratos de energia e derivados.
Siscomex Sistema Integrado de Comércio Exterior. Integra as atividades afins da Secretaria do Comércio Exterior (Secex), da Secretaria da Receita Federal do Brasil e do Banco Central do Brasil, no registro, acompanhamento e controle das etapas das operações de exportação e importação. O BC é responsável pelo tratamento dos aspectos cambiais e do registro do capital estrangeiro no País. Mais informações.
Sistema Câmbio Sistema em que são registradas todas as operações de câmbio realizadas pelas instituições autorizadas a operar no mercado de câmbio.
Sistema de filas Arranjo para a administração do risco mediante o qual ordens de transferência são mantidas como pendentes pelo iniciador / remetente ou pelo sistema até que exista suficiente cobertura na conta de liquidação do iniciador / remetente ou sejam atendidos os limites estabelecidos para esse pagador. Em alguns casos a cobertura também pode incluir linhas de crédito não utilizadas ou garantias disponíveis.
Sistema de liquidação pelo valor líquido bilateral Sistema de liquidação no qual as posições bilaterais compensadas de liquidação dos participantes são liquidadas entre cada combinação bilateral de participantes.
Sistema de Metas para a Inflação O Sistema de Metas para a Inflação foi adotado em 1999 como diretriz de política monetária (Decreto 3.088, de 21/6/1999). Desde então, as decisões do Comitê de Política Monetária (Copom) passaram a ter como objetivo cumprir as metas para a inflação definidas pelo Conselho Monetário Nacional. As metas são estabelecidas com uma banda de dois pontos percentuais para cima ou para baixo. Se não forem atingidas, cabe ao presidente do Banco Central divulgar, em Carta Aberta ao Ministro da Fazenda, os motivos do descumprimento, bem como as providências e o prazo para o retorno da taxa de inflação aos limites estabelecidos. Ver Taxa Selic. Mais informações.
Sistema de registro escritural Sistema contábil que permite a transferência de direitos (por exemplo: transferência eletrônica de valores mobiliários) sem o movimento físico dos documentos ou certificados de papel.
Sistema de transferência de crédito Sistema de transferência de fundos, em que as ordens de pagamento se movem do (banco do) iniciador da mensagem de transferência ou pagador ao (banco do) receptor da mensagem ou beneficiário.
Sistema Estefi Sistema Estatísticas Econômicas e Financeiras
Sistema híbrido Sistema de pagamento que combina características de sistemas LBTRs (Liquidação pelo Valor Bruto em Tempo Real) e sistemas de compensação.
Sistema monetário Conjunto de cédulas e moedas adotado por um país.
Sistema RDR Sistema de Registro de Denúncias e Reclamações de Clientes do Sistema Financeiro Nacional
Sistema Taxas Controle e informações das taxas de câmbio. Acompanha e divulga para o mercado, a variação da taxa média das moedas de câmbio livre.
SML Sistema de Pagamentos em Moeda Local. Mais informações.
SNCC Sistema Nacional de Crédito Cooperativo. Ver FGCoop.
Sociedade Corretora de Câmbio Instituição que tem por objeto social exclusivo a intermediação em operações de câmbio. Deve ser constituída sob a forma de sociedade anônima ou por quotas de responsabilidade limitada, devendo constar na sua denominação social a expressão "corretora de câmbio". Resolução 1.170, de 28/11/1990.
Sociedade Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Instituição habilitada à prática das atividades que lhe são atribuídas pelas Leis 4.728, de 14/7/1965 (disciplina o mercado de capitais), e 6.385, de 7/12/1976 (dispõe sobre o mercado de valores mobiliários), e regulamentação aplicável. Tem por objetivos, entre outros: comprar, vender e distribuir títulos e valores mobiliários; operar em bolsas de mercadorias e de futuros; e operar em recinto ou em sistema mantido por bolsa de valores. Deve ser constituída sob a forma de sociedade anônima ou por quotas de responsabilidade limitada. O Banco Central somente concederá autorização para funcionamento à instituição que comprovar a aquisição de título patrimonial de bolsa de valores. Resolução 1.655, de 26/10/1989.
Sociedade de Arrendamento Mercantil (leasing) Instituição que pratica operações de arrendamento mercantil de bens móveis, de produção nacional ou estrangeira, e bens imóveis adquiridos pela entidade arrendadora para fins de uso próprio da arrendatária. Deve ser constituída sob a forma de sociedade anônima, devendo constar obrigatoriamente na sua denominação social a expressão "arrendamento mercantil", privativa da sociedade de que se trata. Resolução 2.309, de 28/8/1996.
Sociedade de Crédito ao Microempreendedor Tem por objeto social exclusivo a concessão de financiamentos e prestação de garantias a pessoas físicas, bem como a pessoas jurídicas classificadas como microempresas, com vistas a viabilizar empreendimentos de natureza profissional, comercial ou industrial de pequeno porte. Deve ser constituída sob a forma de companhia fechada ou de sociedade por quotas de responsabilidade limitada, adotando obrigatoriamente em sua denominação social a expressão “sociedade de crédito ao microempreendedor”, vedada a utilização da palavra “banco”. Resolução 3.567, de 29/5/2008.
Sociedade de Crédito Imobiliário Instituição financeira especializada em operações de financiamento imobiliário. Deve ser constituída sob a forma de sociedade anônima, adotando obrigatoriamente em sua denominação social a expressão "crédito imobiliário". Resolução 2.735, de 28/6/2000.
Sociedade de Crédito, Financiamento e Investimento (financeira) Instituição financeira privada que tem como objetivo básico a realização de financiamento para a aquisição de bens e serviços, e para capital de giro. Deve ser constituída sob a forma de sociedade anônima e na sua denominação social constar a expressão "crédito, financiamento e investimento". Mais informações.
Sociedade Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Constituída sob a forma de sociedade anônima ou por quotas de responsabilidade limitada, devendo constar na sua denominação social a expressão "Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários". Algumas de suas atividades: intermedeiam a oferta pública e distribuição de títulos e valores mobiliários no mercado; administram e custodiam as carteiras de títulos e valores mobiliários; instituem, organizam e administram fundos e clubes de investimento; operam no mercado acionário, comprando, vendendo e distribuindo títulos e valores mobiliários, inclusive ouro financeiro, por conta de terceiros; fazem a intermediação com as bolsas de valores e de mercadorias; efetuam lançamentos públicos de ações; operam no mercado aberto e intermedeiam operações de câmbio. São supervisionadas pelo Banco Central. Resolução 1.120, de 4/4/1986.
SOF Secretaria de Orçamento Federal. Órgão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, responsável pelo planejamento, coordenação e controle das atividades de orçamento no âmbito do governo federal. Mais informações.
SPB Sistema de Pagamentos Brasileiro. Compreende as entidades, os sistemas e os procedimentos relacionados com a transferência de recursos financeiros e de outros ativos, ou com o processamento, a compensação e a liquidação de pagamentos em qualquer de suas formas. Por esse sistema, operado pelo Banco Central, transferências de fundos interbancárias podem ser liquidadas em tempo real, em caráter irrevogável e incondicional, o que possibilita redução dos riscos de liquidação nas operações interbancárias, com consequente redução do risco sistêmico, isto é, o risco de que a quebra de um banco provoque a quebra em cadeia de outros bancos, no chamado efeito dominó. Mais informações.
Special Account Contas em moeda estrangeira destinadas a acolher os desembolsos de empréstimos ou créditos especiais concedidos por Organismos Financeiros Internacionais ou por Agências Governamentais Estrangeiras a Instituições da Administração Direta ou Indireta das áreas federal, estadual, municipal e do Distrito Federal.
Spread Diferença entre taxas de juros de aplicação e de captação, compreendendo o lucro e o risco relativos às operações de crédito. Representa também a diferença entre o preço de compra e de venda de título ou moeda. Especifica o prêmio adicional que deve ser pago por um devedor em relação a uma taxa de referência. O spread varia de acordo com a qualidade de crédito do emissor, o prazo, as condições de mercado, o volume e a liquidez da emissão ou empréstimo.
SRF Secretaria da Receita Federal do Brasil. Mais informações.
STA Sistema de Transferência de Arquivos. Instituído pela Carta Circular 3.588, de 19/3/2013, esse sistema tem por objetivo permitir o intercâmbio de arquivos digitais entre o Banco Central e outras instituições cadastradas no Sisbacen, de forma padronizada e segura, por meio de conexões na internet, utilizando o protocolo HTTPS. Em 24/6/2013, o intercâmbio de arquivos digitais por meio dos aplicativos PSTAW10, PSTAC10 e Connect foram desabilitados. Mais informações.
STN Secretaria do Tesouro Nacional. Mais informações.
STR Sistema de Transferência de Reservas. Sistema de transferência de fundos com Liquidação Bruta em Tempo Real (LBTR), pertencente e operado pelo Banco Central do Brasil. Funciona com base em ordens de crédito, isto é, somente o titular da conta a ser debitada pode emitir a ordem de transferência de fundos. Esse sistema é o coração do Sistema Financeiro Nacional. Por seu intermédio, ocorrem as liquidações das operações interbancárias realizadas nos mercados monetário, cambial e de capitais, com destaque para as de política monetária e cambial do BC, a arrecadação de tributos e as colocações primárias, resgates e pagamentos de juros dos títulos da dívida pública federal pelo Tesouro Nacional.
Subcustodiante Quando um custodiante (ex., um custodiante global) mantém valores mobiliários por meio de outro custodiante (ex., um custodiante local), este último é chamado de subcustodiante.
Subsegmento Reagrupamento de instituições/empresas pertencentes a um mesmo segmento que apresente comportamento homogêneo, relacionado com o porte, a origem do capital ou a participação em grupo econômico.
Supranational Entidade formada por dois ou mais governos centrais, por meio de tratados internacionais. O propósito de criação de uma supranacional é a promoção do desenvolvimento econômico dos países-membros. Exemplos de supranacionais são o Bird (Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento) e o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). Muitas supranacionais são emissoras de títulos que constituem opções de investimento, fornecendo bons índices de retorno com riscos relativamente baixos.
Susep Superintendência de Seguros Privados. Mais informações.
Swap Derivativo financeiro que tem por finalidade promover simultaneamente a troca de ativos financeiros entre agentes econômicos. Por exemplo: uma empresa possui um ativo financeiro indexado à variação do dólar comercial e deseja trocar esse indexador por uma determinada taxa pré-fixada sem se desfazer do ativo financeiro. Nesse caso, ela poderá realizar essa operação por meio de um swap de taxas.
SWIFT Society for Worldwide Interbank Financial Telecommunication. Associação internacional de bancos que possui uma rede de comunicação de dados para a transferência eletrônica de fundos, com garantia de segurança. Essa rede facilita a troca de pagamentos e outras mensagens financeiras entre instituições financeiras, incluindo corretoras-mediadoras (brokers-dealers) e firmas de valores em todo o mundo. Uma mensagem de pagamento SWIFT é uma instrução para transferir fundos. A liquidação se realiza subsequentemente em um sistema de pagamento ou por meio das relações de bancos correspondentes.
Tarifas bancárias A Resolução 3.919, de 25/11/2010, classifica em quatro modalidades os tipos de serviços prestados às pessoas físicas: 1) serviços essenciais – não podem ser cobrados; 2) serviços prioritários – relacionados a contas de depósitos, transferências de recursos, operações de crédito e de arrendamento mercantil, cartão de crédito básico e cadastro, somente podendo ser cobrados os serviços constantes da Lista de Serviços da Tabela I anexa à (Resolução CMN 3.919, de 2010, devendo ainda ser observados a padronização, as siglas e os fatos geradores da cobrança, também estabelecidos por meio da citada Tabela I; 3)serviços especiais – legislação e regulamentação específicas definem as tarifas e as condições em que são aplicáveis, a exemplo dos serviços referentes ao crédito rural, ao Sistema Financeiro da Habitação (SFH), ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), ao Fundo PIS/PASEP, às chamadas contas-salário, e às operações de microcrédito de que trata a Resolução 4.000, de 2011; 4) serviços diferenciados – podem ser cobrados desde que explicitadas ao cliente ou ao usuário as condições de utilização e de pagamento. Mais informações.
Taxa de câmbio Taxa de câmbio é o preço de uma moeda estrangeira medido em unidades ou frações (centavos) da moeda nacional. A taxa de câmbio reflete, assim, o custo de uma moeda em relação a outra, podendo ser taxa de venda ou taxa de compra. Mais informações.
Taxa de juros implícita Quociente entre as despesas ou receitas de juros nominais e os saldos de dívidas ou de ativos, acrescidos dos fluxos primários ocorridos no mês de referência.
Taxa Interna de Retorno (TIR) Taxa de desconto que torna o valor presente líquido de uma aplicação igual a zero.
Taxa Selic Taxa média dos financiamentos diários, com lastro em títulos federais, apurados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic). O Comitê de Política Monetária (Copom) define a meta da Taxa Selic e seu eventual viés. A taxa de juros fixada na reunião do Copom é a meta para a Taxa Selic, a qual vigora por todo o período entre reuniões ordinárias do Comitê. Se for o caso, o Copom também pode definir o viés, prerrogativa dada ao presidente do Banco Central para alterar, na direção do viés, a meta para a Taxa Selic a qualquer momento entre as reuniões ordinárias.
Taxa SML Valor pelo qual são convertidos os valores fixados das operações cursadas no Sistema de Pagamentos em Moeda Local (SML) na moeda da parte emissora da ordem de pagamento. São divulgadas duas taxas SML: Real/Peso, pelo Banco Central do Brasil; e Peso/Real, pelo Banco Central da Argentina. Mais informações.
Taxas de juros de captação Utiliza-se como taxa de referência a taxa de captação média dos certificados ou recibos de depósitos bancários (CDB/RDB) para modalidades cujo prazo médio situa-se em torno de 30 dias. Para as demais modalidades, de prazo superior a 30 dias, a taxa referencial de contratos realizados no mercado de derivativos que expressa a expectativa para a taxa básica de juros correspondente aos respectivos prazos (contratos de swap DI x pré).
Taxas de juros de operações de crédito Percentual cobrado pelas instituições financeiras nas operações de crédito realizadas com seus clientes. Mais informações.
TBF Taxa Básica Financeira. Ver TR.
TDA Títulos da Dívida Agrária. Título de responsabilidade do Tesouro Nacional, emitido para a promoção da reforma agrária, exclusivamente sob a forma escritural, na Cetip. Título de rentabilidade pós-fixada pela variação da TR.
TED Transferência Eletrônica Disponível. Operação de transferência interbancária entre contas de clientes pessoas físicas ou jurídicas. Para ver tabela com os valores cobrados por bancos privados, públicos e a Caixa Econômica Federal – Pessoa Jurídica, clique aqui.
Time deposits Depósitos interbancários no mercado internacional. Tem prazo fixo e são inegociáveis até o vencimento.
Tipos de conta bancária Os principais tipos são a conta de depósito à vista, a conta de depósito de poupança e a conta-salário. Mais informações.
TIR Sistema de Transferências Internacionais em Reais. Caracteriza-se pelo débito ou crédito realizado em uma conta de depósitos em reais titulada por não residente no Brasil. De acordo com a Circular 3.627, de 19/2/2013, abrange movimentações superiores a 10 mil reais e inferiores a 100 mil reais, não sujeitas ao registro de capitais estrangeiros. Mais informações.
Título de crédito Documento representativo de uma obrigação de pagar o valor que nele está escrito. O cheque é um título de crédito, assim como a nota promissória e a letra de câmbio.
TJLP Taxa de Juros de Longo Prazo. Regulada pela Lei 9.365, de 16/12/1996, com as alterações introduzidas pela Lei 10.183, de 12/2/2001. É definida como o custo básico dos financiamentos concedidos pelo BNDES. A TJLP é fixada pelo Conselho Monetário Nacional e divulgada até o último dia útil do trimestre imediatamente anterior ao de sua vigência. Mais informações.
Top 50 Instituições pertencentes aos cinquenta maiores bancos e conglomerados.
TR Taxa Referencial. É calculada com base em amostra constituída das 20 maiores instituições financeiras do País, assim consideradas em função do volume de captação efetuado por meio de certificados e recibos de depósito bancário (CDB/RDB), com prazo de 30 a 35 dias corridos, inclusive, e remunerados a taxas prefixadas, entre bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento e caixas econômicas. Resolução 4.240, de 28/6/2013.
Transferências a estados e municípios Transferências constitucionais resultantes da Lei Complementar 87/1996 e outras transferências. As transferências constitucionais originam-se do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), cobrados pelo governo federal, e transferidos aos estados e municípios por meio dos seguintes fundos: a) Fundo de Participação dos Estados (FPE): 21,5% do IR e 21,5% do IPI; b) Fundo de Participação dos Municípios (FPM): 23,5% do IR e 23,5% do IPI; c) Fundo Constitucional de Compensação pela Exportação de Produtos Industrializados: 10% do IPI.
Trilheiro Volume contendo 30 centenas (três mil cédulas).
Troca (custódia de numerário) Operação pela qual numerário não monetizado da custódia é permutado por numerário monetizado do meio circulante. Essa operação altera a composição das denominações de cédulas e de moedas na custódia, não tendo repercussão sobre a conta Reservas Bancárias. As moedas metálicas entram em circulação exclusivamente pela operação de troca. A troca pode ser realizada tanto com instituições bancárias, quanto com o público.
Unasul União de Nações Sul-Americanas. Formada pelos doze países da América do Sul. O tratado constitutivo da organização foi aprovado em 2008.
Underwritting Subscrição. No mercado financeiro descreve as operações financeiras nas quais os bancos intermedeiam o lançamento e a distribuição de ações ou títulos de renda fixa para negociação no mercado de capitais.
União Europeia (UE) Bloco criado com o objetivo de estabelecer união econômica e monetária com moeda única, instituir uma cidadania europeia, desenvolver estreita cooperação nos campos da liberdade, segurança e justiça, e afirmar o papel da Europa no mundo.
Unicad Informações sobre Entidades de Interesse do Banco Central do Brasil
Unidade de Inteligência Financeira (UIF) Agência central nacional responsável por receber (e, se permitido, requisitar), analisar e encaminhar às autoridades competentes, denúncias sobre informações financeiras referentes a recursos oriundos de crime e potencial financiamento do terrorismo ou requisitados pela legislação nacional ou regulamentação, com o objetivo de combater a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo. Ver Coaf.
Unidade monetária Valor que serve de base ao sistema monetário.
UPC Unidade Padrão de Capital. "Moeda de conta" criada pela Lei 4.380, de 21/8/1964, para contratos de financiamento imobiliário celebrados anteriormente a 28 de fevereiro de 1986.
UPF Unidade Padrão de Financiamento
US Treasuries Títulos de renda fixa emitidos pelo Tesouro dos EUA. Conforme o vencimento são chamados de Bills, Notes ou Bonds.
USD ou US$ Dólar americano
Valor ao par Valor de face de uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito.
Valor de face Valor de uma obrigação, nota ou outro título como expresso no certificado ou instrumento. Apesar de o preço das obrigações flutuar a partir do momento de emissão até o resgate, eles são resgatados no prazo de vencimento pelo seu valor de face, a menos que tenha ocorrido default. O valor de face é o montante sobre o qual o pagamento de juros é calculado.
Valor de mercado O custo em que se incorreria, ou o lucro que se obteria, se um contrato vigente fosse substituído aos preços vigentes no mercado. Também se denomina valor de reposição.
Valor de referência Valor unitário da ação ou quota, obtido dividindo-se o valor do capital social integralizado pela quantidade de ações ou quotas representativas do capital social integralizado.
Valor facial da moeda ou da cédula Valor marcado na moeda ou na cédula. É por esse valor que a peça tem circulação forçada, salvo determinação oficial em sentido diverso.
Valor nominal Valor unitário da quota ou ação, explicitamente informado no estatuto ou contrato social.
Valor patrimonial da ação ou quota Valor obtido mediante a divisão do valor do Patrimônio Líquido pela quantidade de ações ou quotas representativas do capital social integralizado, exclusive a quantidade de ações ou quotas em tesouraria.
VaR Value at Risk. Medida estatística usada para o cálculo do valor da perda esperada de um ativo ou portfólio em função da variação diária de preço dos ativos. Esse valor é calculado para determinado intervalo de confiança e horizonte de tempo.
Venda de moeda estrangeira Negócio realizado entre o cliente (pessoa física ou jurídica) e uma instituição autorizada a operar no mercado de câmbio pelo Banco Central do Brasil. A instituição recebe do cliente a moeda nacional pelo valor equivalente à moeda estrangeira vendida.
Vendor Financiamento de vendas baseado no princípio da cessão de crédito, permitindo à empresa tomadora do crédito (fornecedor/vendedor) vender seus produtos a prazo e receber o pagamento à vista da instituição financeira.
Verbete Cada um dos itens da Estatística Bancária, cujos saldos guardam correspondência com os saldos de balancete, visto serem resultantes da aglutinação de tais saldos.
VET Valor Efetivo Total. Representa o custo de uma operação de câmbio em reais por moeda estrangeira, englobando a taxa de câmbio, as tarifas e os tributos incidentes sobre essa operação.
Vinculação Expressão utilizada para definir a relação entre eventos de comércio exterior. Ato pelo qual o exportador ou o importador informam a operação de câmbio correspondente às suas operações de exportação ou importação. Pela regulamentação cambial vigente, não há mais vinculação entre contratos de câmbio de exportação ou de importação de curto prazo aos respectivos registros no Siscomex.
VRF Valor de Referência de Financiamento
Yield to maturity Taxa de retorno até o vencimento de um título de renda fixa que leva em consideração o total dos pagamentos periódicos de juros, o preço de compra, o valor de resgate e o tempo que falta até o prazo de vencimento da obrigação. É o indicador de rendimento mais utilizado.
Zona do Euro Também conhecida como Eurozona ou Área do Euro, abrange os países-membros da União Europeia que têm o euro como moeda. Foi instituída em 1º de janeiro de 1999.